Coluna do Ronaldo Cascelli – Psicopatologia da corrupção



Historicamente, o termo “crimes do colarinho branco” tem sido usado para designar práticas de favorecimento ilícito, roubo e toda sorte de infrações praticadas por pessoas que ocupam cargos de importância social ou com alto nível de escolaridade, e que se utilizam desse status ou de sua influência para consumar um crime. Com os recentes escândalos de corrupção em nosso país, temos notado o surgimento de um estado aversão do público em geral a indivíduos ou empresas que ocupam posições de destaque na política ou economia, generalizando a opinião do senso comum de que esses cargos dependem intrinsicamente da corrupção para se sustentar. De certa forma, essa ideia é coerente se levarmos em consideração o quão prejudicial é o nosso modelo burocrático para a livre iniciativa, e o quão disseminado é o controle estatal sobre os indivíduos; “justificando” assim o uso do poder e da influência para a manutenção de privilégios.

Seria possível identificar elementos patológicos nas mentes dos indivíduos que recorrem à esse tipo de prática criminosa? Pois bem. Desde a antiguidade o estudo dos temperamentos tem associado a presença de sintomas às características comportamentais das pessoas. No último século, essa ideia tomou forma com o psiquiatra alemão Ernst Kretschmer. Ele descreveu os temperamentos de hipertimia (sintomas leves de euforia, aumento da energia, sociabilidade, extroversão), e de distimia (sintomas leves de introspecção, baixa energia, ansiedade e insegurança). O primeiro tende a comportamentos impulsivos e de risco, e o segundo tende a evitar situações de risco. A partir daí, desenvolveu-se o conceito de que os sintomas temperamentais são crônicos e fazem parte da personalidade do indivíduo, em detrimento dos sintomas episódicos, que constituem transtornos e processos patológicos transitórios (como a depressão, síndrome do pânico, as fobias, etc.).

Tendo em mente essas definições, e sabendo que a personalidade é determinante no comportamento, estudos recentes têm relacionado a propensão que certos indivíduos tem à prática de crimes econômicos e à corrupção: os famosos crimes do colarinho branco. Foi identificado que dentre esses criminosos, a maioria se apresenta com a auto imagem inflada, são extrovertidos, impulsivos, hedonistas e sociáveis, com menor risco de desenvolver transtornos depressivos. Sendo assim, podemos considerar que os indivíduos com traços de personalidade que remetem ao temperamento hipertímico, são os mais propensos à prática da corrupção.

Apesar disso, não devemos ignorar que a corrupção em nosso meio está também relacionada a fatores sociais, culturais e políticos: sociais no que tange aos costumes e práticas de favorecimento, individualismo e ostentação; culturais no que diz respeito à tão falada “cultura da impunidade”; e políticos através da enorme burocratização e intervenção do Estado na economia e na vida individual.

Portanto, combater a corrupção requer o esforço em reconhecer que se trata de um problema multifatorial, e que por isso depende da reformulação de todo o ambiente em que vivemos, a fim de se inibir a perpetuação desse costume patológico, criminoso e imoral.

Referências

* Alalehto T. Economic Crime: Does Personality Matter? Int J Offender Ther Comp Criminol. 2003;47(3):335-355. doi:10.1177/0306624X03047003007.

* Poortinga E, Lemmen C, Jibson MD. A case control study: White-collar defendants compared with defendants charged with other nonviolent theft. J Am Acad Psychiatry Law. 2006;34(1):82.

* Ragatz LL, Fremouw W, Baker E. The Psychological Profile of White-collar Offenders. Crim Justice Behav. 2012;39(7):978-997. doi:10.1177/0093854812437846.

* Kretschmer E. Physique and Character. An Investigation of the Nature of Constitution and of the Theory of Temperament. London: Kegan Paul, Trench,Trubner& CO.,LTD; 1925.

* Ben-David S. Personality traits in white-collar offenders. Med Law. 1991;10(6):527.

Autor: Ronaldo Cascelli Schelb Scalla Pereira, médico e membro da Sociedade de Neuropsiquiatria de Minas Gerais e da Associação Brasileira de Psiquiatria.

Últimas notícias em vídeo



2 comentários para “Coluna do Ronaldo Cascelli – Psicopatologia da corrupção”

  1. Leitora says:

    Muito Legal. Também poderia fazer um sobre traição no casamento Doutor?

  2. gabriel says:

    Parabéns pelo seu novo empreendimento.

Envie um comentário

 

Política de moderação de comentários

A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o administrador do site pelo conteúdo do mesmo, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste site reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal/familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.