Alambique clandestino é fechado na Barra



Alambique clandestino é fechado na Barra

Durante o trabalho de apoio a Secretaria de Ação Social no recolhimento de moradores de rua, que estão sendo encaminhados para suas cidades de origem ou para Casa Acolhedora, na manhã desta quinta-feira (14), a Polícia Militar recebeu informações de que a cachaça comprada pela maioria dessas pessoas era proveniente de um alambique clandestino localizado na Rua Capitão João Felisberto, na Barra.

De posse das informações, os militares da viatura comandada pelo Sargento Almeida entrou em contato com a Vigilância Sanitária e foram para o depósito que fica no terraço de uma residência, no qual o dono possui um bar. No local foram encontrados mais de 2 mil litros de cachaça e uma certa quantidade de cloro. Todo o material foi recolhido e segundo a Coordenadora da Vigilância Sanitária, Sabrina Dias o proprietário do bar foi notificado e todo o material será levado para o aterro sanitário. Foi necessário um caminhão caçamba para a retirada do material.

A polícia Militar informou que o trabalho realizado vem em cumprimento da Lei 3688, artigo 63, onde é proibido vender bebida alcoólica para menores, pessoas em estado de embriaguês e pessoas que o comerciante tenha conhecimento de sofrer das faculdades mentais, sendo processados por contravenção penal.

Fonte: Claudio Cordeiro

Últimas notícias em vídeo



Envie um comentário

 

Política de moderação de comentários

A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o administrador do site pelo conteúdo do mesmo, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste site reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal/familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.