Casa de Semiliberdade de Muriaé completa um ano



Atualmente nove adolescentes são atendidos no local

A Casa de Semiliberdade de Muriaé – Polo de Educação de Medidas Socioeducativas completou um ano e, entre os principais resultados, comemora a inserção de 11 jovens no mercado de trabalho. A instituição atua junto a adolescentes em conflito com a lei e visa à ressocialização por meio do estudo e profissionalização.

Regiane Barreto, proprietária de um restaurante na cidade, abriu as portas da empresa para um dos internos. Após o cumprimento da medida, ele foi contratado. Segundo Regiane, a disponibilidade e a vontade de trabalhar do adolescente foram fundamentais para a contratação. “Ele é muito interessado e caprichoso, um ótimo funcionário”, define. De acordo com ela, a empresa não tem outras vagas no momento, mas assim que tiver uma oportunidade, pretende direcionar para outros internos do Polo de Medidas Socioeducativas. “É importante a comunidade ajudar e participar”, afirma.

Os adolescentes atendidos pela unidade são submetidos à agenda de atividades diárias, com horários específicos para ver TV, banho, frequentar a escola, cursos profissionalizantes, trabalhos, atendimentos técnicos e fazer a alimentação. Eles também precisam ajudar na organização e limpeza interna da casa. Os adolescentes vão sozinhos para as atividades externas e precisam voltar no horário combinado. A equipe técnica que os acompanha na unidade é composta por assistente social, psicóloga, pedagoga, advogado e auxiliar educacional.

Atualmente nove adolescentes são atendidos no local. Oito estão inseridos em cursos profissionalizantes, sendo dois no Curso de Manutenção de Máquina de Costura Industrial oferecido pelo Senai; um no Curso Técnico em Contabilidade realizado pelo Pronatec; e cinco adolescentes inseridos nos cursos de informática básica, Excel, Word e Internet, oferecidos pelo Centro Vocacional Tecnológico (CVT) de Muriaé. Além disso, um dos adolescentes já está inserido no mercado de trabalho.

P.R.S tem 16 anos e, há dois meses, é interno da Casa de Semiliberdade em Muriaé. Envolvido com drogas desde os 13, o menor conta com o apoio dos profissionais do local para superar o vício, está estudando e pretende trabalhar. “Tinha parado na 5ª série, agora voltei, quero terminar os estudos, trabalhar e cuidar dos meus irmãos”, diz ele, que perdeu a mãe há pouco mais de uma semana. Além do estudo, P.R.S. faz curso de computação no Centro de Vocação Tecnológica (CVT) e acredita que a medida socioeducativa vai ajuda-lo. “Aqui é um lugar para a gente mudar e melhorar de vida”, conclui.

De acordo com a diretora da Casa de Semiliberdade, Aieska Zabo, a unidade tem capacidade para atender a até 16 adolescentes. “Durante este primeiro ano de funcionamento, passaram 39 adolescentes na Casa. Avaliamos positivamente o trabalho realizado, pois, dentro deste quantitativo, tivemos 22 adolescentes certificados em cursos profissionalizantes e 11 foram desligados da medida de semiliberdade e inseridos no mercado de trabalho”, avalia.

A Casa de Semiliberdade de Muriaé é resultado de um convênio firmado entre a Subsecretaria de Atendimento às Medidas Socioeducativas (Suase), da Secretaria de Estado de Defesa Social, e a ONG Pemse (Polo de Evolução das Medidas Socioeducativas), e conta com o apoio da Prefeitura. Nesta quinta-feira (29), será realizada a cerimônia de comemoração do primeiro ano de funcionamento do local.

Semiliberdade

A semiliberdade é uma medida restritiva de liberdade prevista no art. 120 do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). Sujeita aos princípios da excepcionalidade, brevidade e respeito à condição peculiar de pessoa em desenvolvimento, a semiliberdade pode ser determinada como medida inicial, ou como forma de transição para o meio aberto. A política de execução desta medida, traçada pela Suase, prioriza o desenvolvimento de um trabalho com as famílias, a construção de parcerias com a rede de saúde e educação, atendimento técnico, o encaminhamento para formação profissional, as oficinas e as atividades de cultura, esporte e lazer, que são desenvolvidas de forma a criar condições para que o adolescente possa se responsabilizar pelo seu ato.

Nas casas de semiliberdade os adolescentes podem sair durante o dia para estudar ou receber tratamento médico e em seguida devem retornar. A liberdade é restrita durante oito dias após o ingresso na casa, e depois de 45 dias já é permitido, nos finais de semana, dormir na casa da família.

Fonte: Agência Minas

Últimas notícias em vídeo



Envie um comentário

 

Política de moderação de comentários

A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o administrador do site pelo conteúdo do mesmo, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste site reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal/familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.