Esgoto da Casa de Saúde Santa Lúcia é jogado no Rio Muriaé sem tratamento



Esgoto é jogado sem tratamento no Rio Muriaé

A Casa de Saúde Santa Lúcia, localizada no Bairro Coronel Izalino, estaria jogando esgoto do prédio sem tratamento no Rio Muriaé. O registro acima foi realizado por um internauta que preferiu não se identificar. Pela foto é possível verificar uma mancha escura de cor vermelha, que não estaria vindo das obras em volta.

As imediações da Casa de Saúde passam atualmente obras de recuperação das áreas afetadas pela enchente em Muriaé. Moradores da região relatam que o problema vem de longa data e alguns sugerem que a administração da instituição aproveite o momento para realizar as obras de tratamento de esgoto.

Estudo encontra bactérias resistentes a antibióticos em esgoto de hospitais

Um trabalho inédito no Brasil, coordenado pelo pesquisador da Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP), Dalton Marcondes Silva, e realizado em parceria com o Instituto Oswaldo Cruz, verificou a presença de bactérias resistentes a antibióticos em um sistema de tratamento de esgoto hospitalar. A pesquisa alerta para o cuidado no tratamento dos efluentes hospitalares e a dificuldade orçamentária para utilizar modelos que eliminem completamente esses patógenos.

“Eficiência de uma estação de tratamento de esgoto hospitalar por processo anaeróbio na remoção de vírus da hepatite A, enterobactérias e resistência a antibióticos” é o título do projeto, que teve início na dissertação de mestrado de Tatiana Prado, e o objetivo inicial de verificar a presença de patógenos no lodo de estações de tratamento hospitalares visando a avaliação da possibilidade de utilização agrícola desse lodo. “Ao longo do trabalho verificou-se que seria mais interessante estudar as características dos efluentes hospitalares e a eficiência da estação na redução dos microrganismos e, assim, o estudo da utilização agrícola do lodo foi abandonado”, revelou Dalton Marcondes. Nesse projeto verificou-se a eficiência da estação de tratamento de esgotos na remoção de parâmetros físico-químicos, de forma a atender a legislação e mostrar que apesar do bom funcionamento da estação a redução dos microrganismos pode ser muito pequena.

De acordo com o coordenador, a questão que envolve o tratamento de efluentes hospitalares é tratada por lei em alguns Estados brasileiros e tema de grande preocupação do governo federal. Mas há uma grande discussão sobre a diferença entre os efluentes hospitalares e o doméstico, e esse foi um dos aspectos que motivou a realização do estudo.

Segundo o pesquisador, há diversas pesquisas no Brasil que demonstram que as bactérias nesses dois ambientes possuem as mesmas características. Logo, não deveria haver um esforço adicional na eliminação de bactérias, vírus ou protozoários de efluentes hospitalares. No entanto, estudos feitos fora do Brasil demonstram que as bactérias hospitalares, pelo fato de terem passado por um sistema dentro do hospital onde as pessoas recebem antibióticos, apresentam maior resistência a eles. E mais do que isso. “Pelo fato de estarem dentro de uma estação com bactérias resistentes e outras não, há uma troca de material genético entre elas, criando um grupo resistente. Esse estudo, porém, nunca havia sido realizado no Brasil”. Para Marcondes, o atual modelo de desinfecção ainda não elimina um número considerável de bactérias e vírus.

Fonte: Guia Muriaé, com informações da ENSP

Últimas notícias em vídeo



3 comentários para “Esgoto da Casa de Saúde Santa Lúcia é jogado no Rio Muriaé sem tratamento”

  1. Vardiero Moreira Alves says:

    Quantos absurdos esta cidade consegue suportar?

  2. JORGE says:

    CADE A ADMINISTRAÇÃO PUBLICA O PROGRESSSO VAI CONTINUAR????/

  3. JOSE ANACLETO DE FARIA says:

    LEI Nº 3.984/2010
    CONSELHO MUNICIPAL DE DEFESA DO MEIO AMBIENTE – CODEMA
    Art. 2º – São objetivos do CODEMA buscar a proteção, conservação e melhoria do ambiente, combatendo a poluição, a contaminação ambiental, assegurando a todos os habitantes do Município de Muriaé um meio ambiente ecologicamente equilibrado.
    COMPONENTES DO CODEMA
    I – como membro nato e Presidente, o Secretário Municipal de Agricultura e Meio-Ambiente;
    II – um representante da Secretaria Municipal de Agricultura e Meio-Ambiente;
    III – um representante da Secretaria Municipal de Atividades Urbanas;
    IV – um representante do Demsur;
    V – um representante da Câmara de Vereadores de Muriaé;
    VI – um representante da Coordenadoria da Defesa Civil de Muriaé;
    VII – um representante da Emater;
    VIII – um representante do IEF – Instituto Estadual de Florestas;
    IX – um representante do IMA – Instituto Mineiro de Agricultura;
    X – um representante da Polícia Ambiental do Estado de Minas Gerais;
    XI – um representante da Delegacia Regional de Ensino;
    XII – um representante do IFET – Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia;
    XIII – um representante do Sindicato Rural de Muriaé;
    XIV – um representante do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Muriaé, Rosário da Limeira e Barão do Monte Alto;
    XV – um representante da Associação dos Produtores de Lei do Rio Preto;
    XVI – um representante da Associação dos Pequenos Produtores Rurais de Pedra Alta e Região;
    XVII – um representante do Conselho Socioeconômico de Belizário;
    XVIII – um representante do Consórcio Intermunicipal da Bacia do Rio Muriaé;
    XIX – um representante da ONG AMA – Amigos do Meio Ambiente;
    XX – um representante da ONG AECO – Associação Ação Ecológica de Muriaé;
    XXI – um representante da Faminas – Faculdade de Minas;
    XXII – um representante da Faculdade Santa Marcelina;
    XXIII – um representante do CREA – Conselho Regional de Engenharia e Agricultura;
    XXIV – um representante da ACIM – Associação Comercial e Industrial de Muriaé.

Envie um comentário

 

Política de moderação de comentários

A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o administrador do site pelo conteúdo do mesmo, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste site reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal/familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.