Muriaé pode receber unidade da APAC nos próximos meses



Uma das principais e mais efetivas parceiras do estado de Minas Gerais, no que diz respeito à ressocialização de detentos, a Associação de Proteção e Assistência ao Condenado (APAC) está perto de se instalar em Muriaé. Em reunião realizada na manhã de terça-feira (10), no Centro Administrativo, o prefeito Grego declarou-se sensível à causa e disposto a cooperar com a implantação de uma unidade no município.

O encontro teve ainda a participação da secretária municipal de Educação, Maria da Conceição Rodrigues de Souza, a Nininha; do deputado estadual Dr. Wilson Batista; do vereador Reginaldo Roriz; da promotora de justiça da comarca de Muriaé, Jackeliny Rangel; e do diretor de Políticas de APAC da Secretaria de Estado de Defesa Social, Matheus Henrique Cunha, além de diretores de presídios e penitenciárias de Muriaé e região e da representante da Defensoria Pública, Lucimar Freire.

O local mais cotado para abrigar a unidade da APAC em Muriaé é a antiga Escola Municipal Família Agrícola, localizada na zona rural de Pirapanema. Abandonada há mais de uma década, a instituição é considerada ideal para o trabalho de ressocialização por possuir estruturas físicas adequadas – sendo necessárias apenas pequenas reformas para instalação de celas – e ampla área ao ar livre para a realização das atividades laborais.

– A APAC é uma alternativa importante para desafogar o sistema carcerário do estado, promovendo a ressocialização de detentos de bom comportamento a um custo menor que o usual e, o mais importante de tudo, contando com índice de reincidência muito abaixo do que é observado em cadeias comuns – informa Matheus Cunha. Segundo ele, havendo a rápida concessão do espaço por parte do município, a unidade poderá ficar apta a funcionar ainda no primeiro semestre deste ano. O diretor informa ainda

A estimativa é que a Escola Família Agrícola tenha capacidade para abrigar até 200 detentos em ressocialização. Inicialmente, porém, o trabalho deverá ser feito com cerca de 70 participantes, com crescimento gradual realizado de acordo com o andamento das atividades.

– Muriaé se coloca à disposição para cooptar 100% da demanda existente na comarca. Estando dentro da capacidade do local, vamos ajudar a ressocializar todos os detentos que estiverem em condições de participar da APAC na cidade – ressalta Grego. O prefeito deverá participar, na provável data de 31 de janeiro, à visita técnica para conhecer o funcionamento da unidade existente em São João Del Rei, considerada modelo.

Atualmente, a Penitenciária Regional Doutor Manoel Martins Lisboa Júnior, em Muriaé, conta com 670 presos – quase 70% a mais em relação à sua capacidade total, que é de 396 pessoas.

O método da APAC tem sido praticado pelo Governo de Minas Gerais, sob recomendação do Tribunal de Justiça do estado, desde 2006. O sucesso dos índices de ressocialização – apenas cerca de 10% dos participantes se tornam reincidentes – e o baixo custo para manutenção dos detentos – cera de 1/3 do valor observado em penitenciárias do sistema comum – são fatores determinantes para a instalação de novas unidades.

Fonte: PMM



Envie um comentário

 

Política de moderação de comentários

A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o administrador do site pelo conteúdo do mesmo, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste site reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal/familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.