Gratuidade de serviços bancários deverá ser divulgada



A Comissão de Defesa do Consumidor e do Contribuinte da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) aprovou na tarde desta terça (19) parecer favorável de 2º turno ao Projeto de Lei (PL) 425/11, de autoria do deputado Sargento Rodrigues (PDT). O projeto obriga os órgãos públicos estaduais a reservarem espaço para divulgar que é proibida a cobrança de tarifas bancárias por serviços considerados essenciais.

A relatora, deputada Liza Prado (Pros), opinou pela aprovação do projeto na forma do vencido em 1º turno, ou seja, sem novas alterações. Com isso, o projeto está pronto para apreciação em 2° turno no Plenário.

Entre esses serviços considerados essenciais, encontram-se o fornecimento de cartão de débito, dez folhas de cheques por mês e segunda via de cartão de débito. Além disso, também são classificadas como essenciais a realização de até quatro saques por mês, em guichê de caixa ou em terminal de autoatendimento, e o fornecimento de até dois extratos contendo a movimentação do mês, dentre outros.

O texto também prevê que os veículos de comunicação impressa, televisiva, radiofônica e eletrônica do Estado destinem espaço para a divulgação do direito do cidadão à gratuidade tarifária na prestação de serviços bancários essenciais.

Requerimentos

Durante a reunião também foram aprovados dois requerimentos de autoria do presidente da comissão, deputado Rômulo Veneroso (PV). Ele solicitou audiência pública em Almenara (Vale do Jequitinhonha) para discutir a criação de unidade do Procon na cidade; e visita técnica ao Aeroporto de Confins e ao Terminal Rodoviário de Belo Horizonte, para averiguar a diferença de preços de alimentos em lanchonetes, bares e restaurantes.

Fonte: ALMG

Últimas notícias em vídeo



Envie um comentário

 

Política de moderação de comentários

A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o administrador do site pelo conteúdo do mesmo, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste site reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal/familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.