16 pessoas são presas em operação contra o jogo do bicho em Muriaé



Operação contra o jogo do bicho em Muriaé

16 pessoas foram presas durante uma operação contra o jogo do bicho realizada em Muriaé, no início da tarde de terça-feira (6). A ação, batizada de “Jericó”, foi desencadeada pela Polícia Militar da cidade e contou com o apoio Batalhão de Choque e de Operações Especiais de Juiz de Fora. De acordo com a polícia, foram quase um ano de levantamentos e investigações.

Policiais realizaram buscas onde funcionava um ponto de apoio de uma empresa de ônibus, no bairro Bela Vista, e atualmente funcionava a “fortaleza” do jogo de bicho na região. No local eram realizadas toda a operação do jogo, como a contabilidade, o sorteio e a distribuição pelos pontos. 16 pessoas foram presas, entre eles o homem considerado o dono da banca em Muriaé. Sete motos e dois carros foram recolhidos, além de cerca de R$ 6 mil reais, centenas de talões de jogo de bicho, um binóculo, dois rádios comunicadores, um revólver calibre 38, munição e muito material para a prática do jogo.

Após a busca e as prisões todos os envolvidos e o material foram encaminhados a sede da 4ª DRPC, no Safira, onde o delegado de plantão tomou as medidas cabíveis em relação ao fato.

Contravenção

Apesar de sua imensa popularidade e de ser tolerado por muitas autoridades corruptas, o jogo do bicho é considerado uma contravenção no Brasil desde a proibição dos jogos de azar no Brasil, em 1946 e as pessoas que o praticam ou o promovem são passíveis de punição pela justiça. Dois fatores, teoricamente, são responsáveis por seu caráter ilícito:

  • A ausência de pagamento de impostos por parte dos banqueiros de jogo do bicho;
  • E a sua condição de jogo de azar, que induziria ao vício e à miséria a população.

Fonte: Guia Muriaé, com informações de Claudio Cordeiro e Wikipédia
Foto: Claudio Cordeiro

Últimas notícias em vídeo



Envie um comentário

 

Política de moderação de comentários

A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o administrador do site pelo conteúdo do mesmo, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste site reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal/familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.