Réus condenados no processo do mensalão apresentam-se à Polícia Federal



O ex-vice-presidente do Banco Rural José Roberto Salgado apresentou-se à Polícia Federal, em Belo Horizonte (MG), no final da noite dessa sexta-feira (15). Salgado e outros 11 condenados na Ação Penal 470, o processo do mensalão, tiveram a prisão decretada pelo presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa. Dos 12 mandados de prisão expedidos pelo Supremo, dez foram cumpridos. O ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares e o ex-diretor de Marketing do Banco Brasil Henrique Pizzolato ainda não foram presos.

Além do ex-vice-presidente do Banco Rural, condenado a 16 anos e oito meses pelos crimes de formação de quadrilha, lavagem de dinheiro e evasão de divisas, estão presos também: o ex-ministro da Casa Civil, José Dirceu, que apresentou-se à Superintendência da Polícia Federal em São Paulo; o publicitário Marcos Valério, Kátia Rabello, ex-presidenta do Banco Rural , o ex-deputado federal Romeu Queiroz (PTB-MG) e Ramon Hollerbach, ex-sócio de Marcos Valério, que entregaram-se em Belo Horizonte (MG); e Jacinto Lamas, ex-tesoureiro do PL (atual PR), que apresentou-se à PF em Brasília.

O deputado federal José Genoino (PT-SP) entregou-se também em São Paulo. Simone Vasconcelos, ex-funcionária do publicitário Marcos Valério; Cristiano Paz e Ramon Hollerbach , ex-sócios de Valério, apresentaram-se em Belo Horizonte (MG).

A PF vai transferir todos os presos para Brasília durante o fim de semana em avião próprio, mas os réus poderão pedir para cumprir a pena nas cidades onde moram. A execução das penas será feita pelo juiz da Vara de Execuções Penais do Distrito Federal.

Fonte: Agência Brasil

Últimas notícias em vídeo



Envie um comentário

 

Política de moderação de comentários

A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o administrador do site pelo conteúdo do mesmo, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste site reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal/familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.