Pesquisa sobre voto obrigatório em Muriaé



Em 2006, alunos do Curso de Serviço Social da Faculdade de Minas (FAMINAS) realizaram uma pesquisa com 200 muriaeenses, sorteados aleatoriamente, em 38 bairros.

O trabalho completo pode ser acessado no link abaixo:

http://www.ucam-campos.br/ucamcidades/dissertacoes/dissertacoes-1/dissertacoes-2006/Jose_Anacleto.pdf

O trecho abaixo é parte do trabalho:

O trabalho procurou conhecer a comunidade muriaeense em termos de participação, associativismo, democracia e capital social, tendo em vista o processo de gestão democrática inaugurado pela Lei n° 10.257/01 (Estatuto da Cidade). Como estratégia metodológica, optou-se pela realização de um pesquisa. A amostra de 200 pessoas foi selecionada aleatoriamente da população urbana de 33.787 residentes (chefes de família e cônjuges, com idade entre 18 e 60 anos). Predominaram na amostra pessoas do sexo feminino (54,5%), católicas (68,3%), com idade entre 23 e 52 anos (78,6%), da cor branca (70,3%), com menos de onze anos de estudo (59,5%), e sem rendimento ou com renda familiar igual ou inferior a cinco salários mínimos (87,3%). Participação: Atualmente, 9,0% dos entrevistados participam de conselhos ou colegiados; 63,0% nunca participaram de conferência, debates, consultas ou audiências públicas; apenas 29,5% dos pesquisados sabem o que é Plano Diretor; metade entende que a principal função de um Vereador é “buscar soluções para os problemas da comunidade junto ao Poder Executivo”. Para 102 respondentes, existe uma divisão política em Muriaé entre “puaias” e “goteiras”, sendo que 91,2% deles concordam que tal divisão dificulta as relações do povo com o governo local. Associativismo: A maioria dos pesquisados (76,5%) concorda que as associações auxiliam as pessoas a formar hábitos de cooperação, solidariedade e espírito público. Entretanto, somente 6,0% dos entrevistados são filiados a partidos políticos; 14,1% são sindicalizados ou associados a órgãos de classe; 30,8% acham-se vinculados a grupos religiosos, e apenas 6,6% se declararam filiados à associação de moradores de bairro. Capital Social: A confiança dos entrevistados acha-se depositada em parentes (39,8%), na Igreja (25,2%) e nos amigos (20,7%). Expressiva parcela discordou das afirmativas de que se pode confiar na maioria das pessoas que moram nesta cidade (76,5%), e de que a maioria das pessoas desta cidade está disposta a ajudar caso você precise (66,0%). Quanto às regras de reciprocidade, 46,5% concordaram que se deve retribuir uma gentileza recebida. Democracia: Para 67,5% dos entrevistados, as decisões tomadas pela prefeitura e líderes locais afetam a vida de todas as pessoas da cidade, entretanto, metade deles não se interessa ou tem pouco interesse por política. Além disso, os assuntos políticos praticamente não são discutidos pelos entrevistados; os que nunca discutiram somados aos que discutiram algumas vezes representam a maioria (78,5%). Para apenas 37,0%, a democracia é a melhor forma de governo, e 33,5% acham que o governo funciona mal no sistema democrático. Tanto os indicadores de participação e associativismo, quanto os relativos à democracia e ao capital social, indicam que há um longo caminho a ser percorrido até se tornar realidade a filosofia de gestão pública estatuída pela Lei nº 10.257/01 (Estatuto da Cidade).

Via Jose Anacleto de Faria.

Últimas notícias em vídeo



Envie um comentário

 

Política de moderação de comentários

A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o administrador do site pelo conteúdo do mesmo, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste site reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal/familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.