Norte de Minas receberá polo industrial de confecções até 2014



Ao centro, o presidente do Indi, José Frederico Álvares; à esquerda, o secretário de Desenvolvimento dos Vales do Jequitinhonha, Mucuri e Norte de Minas, Gil Pereira e o diretor do Indi, Marcus Vinícius. À direita, o empresário Lucivaldo Barros Lima

O município de Espinosa, no Norte de Minas, deverá sediar até 2014 um novo polo industrial do setor de confecções. O projeto foi apresentado, nesta terça-feira (30), pelo empresário Lucivaldo Barros Lima ao presidente do Instituto de Desenvolvimento Integrado de Minas Gerais (Indi), José Frederico Álvares, e ao secretário para o Desenvolvimento dos Vales do Jequitinhonha, Mucuri e Norte de Minas, Gil Pereira, durante assinatura de protocolo de intenção para a expansão da Indústria e Comércio de Confecções (Amil Confecções).

Com investimento próprio e em parceria com a prefeitura de Espinosa, o empresário Lucivaldo Barros Lima iniciou a implantação do distrito industrial que sediará o novo polo, que deverá abrigar as 65 confecções e facções já existentes no município.

“A ideia de criação do polo surgiu não só para agregar todas as empresas do setor e direcionar a industrialização e comercialização de artigos do vestuário e de cama, mas também para incrementar a economia da cidade. Nossa ideia, inclusive, é criar pontos de venda e transformar Espinosa em um polo como os do Barro Preto (em Belo Horizonte) e Divinópolis”, explicou Lucivaldo.

Já o presidente do Indi, órgão vinculado à Secretaria de Desenvolvimento Econômico (Sede), informou que a Sede irá dar todo o apoio necessário para a estruturação do polo de confecções de Espinosa, que inicialmente deverá concentrar 28 facções.

José Frederico Álvares chamou a atenção ainda para os incentivos da Sudene aos quais os empresários da região têm direito. “É preciso que o investidor se lembre que os 168 municípios mineiros que integram a área da Sudene têm direito a uma série de benefícios oferecidos pelo Governo Federal que facilita e reforça o desenvolvimento”, destacou.

Por sua vez, o secretário Gil Pereira informou que já no início de 2013 a Secretaria de Estado de Desenvolvimento dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri e do Norte de Minas Gerais (Sedvan) promoverá uma reunião em Espinosa com vários municípios da região Norte para divulgar os benefícios concedidos para a área mineira da Sudene e também para apresentar as linhas de crédito oferecidas pelo Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG).

“É preciso que os empresários conheçam o apoio e a orientação oferecidos pela Sede e pelo Indi aos investidores já instalados no Estado ou aos que estão chegando, bem como orientar as prefeituras sobre a infraestrutura necessária para atrair novos investimentos”, destacou o secretário.

O diretor da Amil Confecção enfatizou que a proposta de criação do polo é uma estratégia para enfrentar a concorrência dos produtos asiáticos. “Queremos criar o polo porque ao reunirmos estaremos facilitando a logística e o desempenho da produção, e também fazendo a informação circular com rapidez e eficiência. Com o apoio que estamos recebendo do Governo de Minas, formaremos um modelo de polo industrial em uma das regiões mais carentes do Estado, garantindo a criação de 700 a 1.400 empregos diretos”, frisou Lucivaldo.

Com investimento de R$ 2,8 milhões e a geração de 300 empregos diretos e indiretos, a Amil está expandindo suas atividades através da construção de uma nova sede e modernização dos setores de produção e administrativo para conquistar novos mercados, como o Mercosul.

Fundada em 1984, a Amil hoje está presente em 22 estados brasileiros e já vende parte da sua produção para o Paraguai e Bolívia. São produzidas por mês em torno de 120 mil peças masculinas e roupas de cama. O plano de expansão prevê, a partir de 2014, um aumento de 15% da capacidade de produção atingindo 140 mil peças por mês. Com a criação do polo de confecções, a previsão é que sejam fabricadas em Espinosa de 300 mil a 500 mil peças por mês de vários segmentos têxteis.

Fonte: Agência Minas

Últimas notícias em vídeo



Envie um comentário

 

Política de moderação de comentários

A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o administrador do site pelo conteúdo do mesmo, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste site reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal/familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.