Prefeitura de Cataguases vai indenizar familiares da vítima de acidente com ônibus escolar em 2008



Desembargador Eduardo Andrade

A 1ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) manteve decisão do juiz Maurício José Machado Pirozi, da comarca de Cataguases, que condenou o município a indenizar, em R$ 40 mil, os pais da adolescente M.L.S.L. A menor foi vítima fatal de um acidente ocorrido durante o transporte escolar, sob responsabilidade de empresa contratada pelo poder público.

Em 28 de agosto de 2008, por volta das 17h30, o ônibus escolar da empresa Transporte de Cargas e Passageiros Cardoso Coelho Ltda., prestadora de serviços de transporte à prefeitura de Cataguases, partiu da escola municipal Ulisses Brandão da Rocha, conduzido por P.A.F., quando a estudante M.L.S.L colocou a cabeça para o lado de fora da janela do veículo. A cabeça da menor colidiu com uma árvore às margens da avenida. A estudante sofreu lesões fatais.

A decisão desfarovável de primeira instância levou o município de Cataguases a entrar com recurso sob a alegação de que o acidente ocorreu por única e exclusiva culpa da vitima, já que, se a adolescente tivesse cumprido as normas de segurança, teria evitado o acidente. O município argumentou ainda que o motorista não teria condições de dirigir o veículo e, ao mesmo tempo, zelar pela segurança dos passageiros.

O relator do processo, no TJMG, desembargador Eduardo Andrade, negou provimento ao recurso. O magistrado entendeu que “foram três causas que geraram a morte da vítima: a própria conduta intempestiva desta, que colocou ao menos a cabeça para fora do coletivo em movimento; a conduta da empresa de, pelo risco do seu empreendimento de transportar, com finalidade de lucro, crianças e adolescentes, que, por sua própria natureza, têm condutas afoitas; e a culpa do motorista do veículo, que não observou os espelhos retrovisores do veículo, situação na qual poderia ver que a adolescente estava com o corpo para fora da janela do coletivo”.

Votaram de acordo com o relator os desembargadores Geraldo Augusto e Vanessa Verdolim Hudson Andrade.

Fonte: Assessoria de Comunicação Institucional Tribunal de Justiça de Minas Gerais

Últimas notícias em vídeo



Envie um comentário

 

Política de moderação de comentários

A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o administrador do site pelo conteúdo do mesmo, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste site reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal/familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.