Publicações com a tag ‘vigilancia sanitaria muriae’



Vigilancia Sanitaria - Foto Parnamirim-RN

Vigilância Sanitária de Muriaé rebate acusações do presidente da Câmara Municipal


O presidente da Câmara Municipal de Muriaé, Sargento Joel, fez, na última quarta-feira (27) durante o programa “Vereadores em Ação”, que foi ao ar na Rádio Muriaé, várias acusações sobre a atuação da Vigilância Sanitária no município.

Leia mais »

Polícia Civil e Vigilância Sanitária fecham fábrica irregular no São Gotardo, em Muriaé


Fábrica irregular no São Gotardo

A Polícia Civil e a Vigilância Sanitária de Muriaé fecharam, na manhã de sexta-feira (16), um local onde funcionava, de forma irregular, uma fábrica de produtos de limpeza, higiene e também de remédios.

No local, no bairro São Gotardo, eram feitos medicamentos fitoterápicos, que prometiam curar diversas doenças. Também foram encontrados produtos de higiene pessoal e alimentos, como mel.

O proprietário está legalizado junto à Receita Federal, tem CNPJ e podia emitir nota fiscal, mas não tem o Alvará Sanitário. Sem ele, este tipo de produto não pode ser comercializado.

Assista a reportagem compelta da TV Integração:

http://g1.globo.com/videos/minas-gerais/triangulo-mineiro/mgtv-2edicao/t/triangulo-mineiro/v/policia-civil-e-vigilancia-sanitaria-fecham-fabrica-irregular-em-muriae/2764034/

Fonte: Mega Minas

Fiscais sanitários vistoriam supermercado no Centro de Muriaé


Vigilância Sanitária de Muriaé

A equipe da Vigilância Sanitária de Muriaé inspecionou, na tarde desta segunda-feira, um supermercado localizado no Centro da cidade. A operação aconteceu com o objetivo de apurar a denúncia feita por um popular, em relação à suposta presença de insetos em uma gôndola do estabelecimento.

Segundo o coordenador da vigilância, Vítor Dias Vasconcelos de Almeida, não foram constatadas irregularidades no local. “A dedetização do supermercado está em dia, assim como os seus alvarás de funcionamento”, informa. “Não detectamos nada de irregular, mas estaremos vistoriando o estabelecimento periodicamente”, complementa.

Inspeções de rotina

A Vigilância Sanitária realiza inspeções rotineiras em todos os supermercados de Muriaé, com o objetivo de evitar riscos e agravos à saúde da população. Uma das exigências feitas a este tipo de estabelecimento comercial é a realização periódica do serviço de dedetização, que deve ser executado por instituições reconhecidas pelos órgãos competentes.

De acordo com Vítor, caso sejam encontradas irregularidades no momento da vistoria, a empresa responsável pode ser autuada ou até mesmo interditada. “As sanções são aplicadas de acordo com o grau da infração e seguem as normas da Unidade Fiscal do Estado de Minas Gerais”, explica.

Quem verificar supostas irregularidades em estabelecimentos comerciais de Muriaé pode realizar a denúncia por telefone. Os números de contato são (32) 3696-3355 (Ouvidoria Municipal) e 3696-3306 (Vigilância Sanitária).

Fonte: Prefeitura de Muriaé

Vigilância Sanitária de Muriaé apreende 383 garrafas de mel no Inconfidência


A produção clandestina estava sendo realizada sem condições ideais de higiene

A Vigilância Sanitária de Muriaé apreendeu, no fim da manhã de ontem (23), 383 garrafas de mel no bairro Inconfidência. A apreensão aconteceu em flagrante, logo após recebimento de denúncia anônima pela equipe de trabalho, e os autores, que não possuem alvará de funcionamento, foram intimados a cessar a produção.

A produção clandestina estava sendo realizada, sem condições ideais de higiene, no quintal de uma casa localizada na Rua Tomás Antônio Gonzaga. “Chegamos ao local no momento em que o mel falsificado estava sendo produzido. Várias das garrafas apreendidas ainda continham o material quente”, afirma uma das integrantes da equipe da Vigilância Sanitária, Sabrina Dias. “Já o que ainda estava nas bacias foi inutilizado no próprio local”, complementa.

Todo o material apreendido, que era produzido as partir de água, açúcar e essência de mel, foi descartado e inutilizado no aterro controlado de lixo.

Fonte e foto: Prefeitura de Muriaé

Ministério da Saúde suspende repasse a Muriaé e outras 1.420 cidades por irregularidades em informações


Ministério da Saúde

O Ministério da Saúde suspendeu hoje (16) o repasse de recursos destinados à área de vigilância sanitária para 1.421 municípios, entre eles a cidade de Muriaé, que não abasteceram regularmente o Sistema de Informação Ambulatorial. A portaria publicada no Diário Oficial da União estabelece a mesma punição para 89 cidades que não cadastraram serviços de vigilância sanitária no Sistema de Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde.

A verba que ficou retida é referente ao terceiro quadrimestre de 2012. Para recuperá-la, os municípios devem atualizar as informações nos sistemas do Ministério da Saúde, que repassará os recursos no mês seguinte ao da regularização.

A suspensão dos repasses é usada pelo Ministério da Saúde como forma de garantir a aplicação correta dos recursos e a prestação de contas das cidades. A suspensão só é feita quando os municípios atrasam o preenchimento das informações obrigatórias por pelo menos dois meses consecutivos.

Em julho o Governo Federal já havia cancelado o repasse de verbas para saúde em Muriaé. Na ocasião, apesar dos apelos do Ministério da Saúde para que regularizassem as informações prestadas ao Sistema de Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (SCNES), 13 prefeituras de Minas Gerais, entre elas a de Muriaé, não resolveram as falhas apontadas e tiveram a transferência de incentivos financeiros suspensa pela segunda vez no ano.

Fonte: Agência Brasil

Vigilância Sanitária fecha lanchonete no Safira que estava vendendo maionese caseira


Maionese caseira

A Vigilância Sanitária de Muriaé fechou na sexta-feira (24) uma lanchonete na Avenida Silvério Campos, no Safira, que estava vendendo maionese caseira.

Segundo boletim de ocorrência da Polícia Militar, policiais foram acionados a comparecer para apoiar os funcionários públicos municipais que receberam uma denúncia de que o estabelecimento comercial estava vendendo a maionese caseira. No local, os funcionários constataram a veracidade da denúncia, realizando o lacramento e interdição do estabelecimento com fitas adesivas da Secretária de Saúde Estadual.

O proprietário foi orientado quanto às providências a serem tomadas para regularização da situação do estabelecimento.

Entenda a proibição

A venda de maionese caseira é proibida desde 2003 em Minas Gerais, conforme lei estadual. O produto, consumido nos espaços de lanches, não se enquadra nas normas gerais de higiene, tornando-se uma das principais causas de intoxicações intestinais. A maionese caseira é preparada com ovos crus, manipulada de maneira inadequada, podendo ser facilmente contaminada com microorganismos.

Fonte: Guia Muriaé, com informações da Assessoria de Imprensa da Polícia Militar



Powered by WordPress