Home / Notícias / Cidade / Google é condenada a pagar indenização de 20 mil reais a diretor da FAMINAS

Google é condenada a pagar indenização de 20 mil reais a diretor da FAMINAS

Google é condenada a pagar indenização de 20 mil reais a diretor da FAMINAS

A Google foi condenada pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) a indenizar em R$ 20 mil o diretor acadêmico da Faculdade de Minas (Faminas), Roberto Santos Barbieri, por causa de difamações postadas no Blogspot, serviço de blogs mantido pela empresa.

Segundo a corte, a Google não é responsável pelas postagens nem pode monitorá-las previamente, mas tem a obrigação de retirar o material do ar e identificar o autor quando é notificada sobre a existência de conteúdo ilegal nos serviços que oferece.




Barbieri havia descoberto que alunos da Faminas haviam criado uma página no Blogspot e acionou a Justiça, conseguindo uma liminar para que o material fosse retirado do ar. Porém, a empresa não cumpriu a determinação e foi condenada a indenizar o diretor. A companhia então recorreu ao STJ, alegando que não poderia ser responsabilizada por material divulgado por terceiros porque não filtra as postagens. Em sua defesa, a Google informou ainda que “não houve pedido e muito menos ordem judicial determinando a quebra do sigilo dos dados do autor da página”.

A ministra Nancy Andrighi, relatora do processo, salientou que a empresa tem razão em não fazer a filtragem do que é divulgado por meio dos serviços que oferece, já que deve “garantir o sigilo, a segurança e a inviolabilidade” das informações dos usuários. Contudo, Nancy Andrighi entendeu que há uma “inegável” relação de consumo entre a Google e os usuários porque, apesar de o serviço ser gratuito, a empresa lucra com o banco de dados formado pelos cadastros dos usuários. E salientou que, apesar de não ser responsável pelo conteúdo dos blogs, a empresa tem obrigação de, ao saber da “existência de publicação de texto ilícito, removê-lo sem delongas”, assim como oferecer meios de identificar os autores. Os ministros Massami Uyeda, Sidnei Beneti, Paulo de Tarso Sanseverino e Ricardo Villas Bôas Cueva concordaram com a relatora.




A Google ainda pode recorrer da decisão.

Fonte: Guia Muriaé, com informações do Estadão
Foto: FAMINAS




Confira também

Muriaé vai ganhar novo centro comercial com expectativa de contratação de mais de 1.200 pessoas

Já começaram as obras de um novo empreendimento comercial em Muriaé. Denominado Boulevard Center, o …

3 comentários

  1. Mas vamos analisar: Pq será que os alunos da Faminas fizeram um site sobre ele?

  2. Materia velha, foi postada ontem?

    • O caso é sim antigo e já foi julgado em diversas instâncias, mas a decisão do STJ saiu no final do mês de Junho de 2012 após a Google recorrer da última decisão da justiça.

Deixe uma resposta para pedro Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *