Acusado de matar criança de 4 anos vai a júri popular



Está marcado para o próximo dia 16 de maio, em Leopoldina, o júri popular de José Carlos da Silva Balbino, vulgo Bolinha, acusado da morte da menina Érica, de 4 anos.

No dia 26 de setembro de 2015, a criança foi encontrada morta com sinais de violência, próximo a um barranco na Rua Dr. José de Melo Lima Júnior, no bairro Popular, onde ela residia com a família. O crime que chocou Leopoldina e região teve repercussão em todo o estado. O julgamento ocorrerá no Fórum Doutor José Gomes Domingues, sob a presidência da juíza Flávia de Vasconcellos Araújo.

Na manhã em que o corpo da pequena Érica foi encontrado, as Polícias Militar e Civil foram acionadas por volta das 7h e compareceram ao local. Uma unidade do SAMU e outra do 4º Pelotão do Corpo de Bombeiros Militar também foram mobilizadas.




De acordo com o delegado de plantão naquele dia, Márcio Rocha, buscas foram feitas na residência de Bolinha, onde uma bermuda suja de sangue teria sido encontrada e encaminhada para a perícia.

Após intensa perseguição, que durou quatro dias, ele foi preso enquanto caminhava nas imediações da estrada velha que faz a ligação entre Leopoldina e Cataguases. O Delegado de Homicídios da Regional de Leopoldina, André Luis Dias Lima, informou naquela ocasião que a polícia chegou ao suspeito por meio de denúncias anônimas.

Em setembro de 2016, a Polícia Civil de Leopoldina e agentes da Central Integrada de Escolta do Sistema Prisional de Minas Gerais (CIESP) e Subsecretaria de Administração Prisional (SUAPI), realizaram uma ação conjunta para que o acusado fosse ouvido durante uma Audiência de Instrução no Fórum Doutor José Gomes Domingues.

Ele se encontra preso no Complexo Penitenciário Ribeirão das Neves, localizado na região metropolitana de Belo Horizonte, onde aguarda o julgamento.

Fonte: O Vigilante Online

Últimas notícias em vídeo



Envie um comentário

 

Política de moderação de comentários

A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o administrador do site pelo conteúdo do mesmo, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste site reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal/familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.