Homem traído obriga amante da namorada a cantar música sertaneja e o mata

A Polícia Civil de Minas Gerais deflagrou, na manhã dessa terça-feira (18), a operação “Largado às Traças”, que resultou no cumprimento de prisão preventiva de um suspeito do homicídio de Juliano de Paula Rodrigues, no dia 11 de setembro, em Caratinga.

A vítima estaria tendo um caso com a namorada do suspeito e, no dia do crime, o suspeito junto a quatro adolescentes utilizou as redes sociais da companheira e conseguiu ludibriar a vítima, vindo a marcar um encontro no trevo da Lagoa Bonita, naquele município.

Assim que a vítima chegou, foi imobilizada pelos adolescentes que, em seguida, colocaram um saco plástico na cabeça de Juliano e o jogaram no interior do veículo do suspeito, instante em que ele foi amarrado por abraçadeiras nas mão e pés.

De acordo com as investigações, no trajeto até o local do crime, a vítima passou a ser humilhada e agredida com socos. “Juliano também foi obrigado a cantar para os autores músicas sertanejas, dentre elas, ‘Largado às Traças’”, contou o Delegado Rodrigo Cavassoni, responsável pelas investigações.

No local do crime, Lagoa Bonita, a vítima foi jogada para fora do veículo, e os investigados passaram a agredi-la. Os levantamentos da Polícia Civil revelaram que o suspeito enforcou a vítima com um golpe de mata leão, oportunidade em que ela desmaiou. Neste instante, o suspeito pegou um canivete e atingiu a vítima, a qual acordou e gritou por ajuda. Mas tornou a ser atingida por golpes de canivetes pelos adolescentes.

Após desferirem múltiplos golpes, os autores decidiram atear fogo no corpo e no veículo da vítima. A Polícia Civil, durante as investigações, apreendeu o capacete pertencente à vítima, as abraçadeiras utilizadas para amarrá-la, o isqueiro e o canivete utilizados na ação criminosa. Os adolescentes já foram identificados.

Assista a reportagem da TV Super Canal:

Fonte: PCMG


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo

Experimentoe o Novo Livre