Lidando com a saúde mental em tempos de pandemia

Olá, gostaria de iniciar esse texto me apresentando, meu nome é Jessica Caroline Ramos Péres, psicóloga clínica, presencial e online, (CRP 04/47364). Hoje em venho chamar a sua atenção para algo que às vezes você pode deixar de lado, ou considerar uma bobagem.

Diante da instauração da Pandemia do COVID-19, pesquisadores do mundo inteiro investigaram sobre a saúde mental das pessoas nesse momento, e eu posso lhe dizer, os resultados não são tão bons quanto a gente esperava.

Muitas pessoas que já vivenciavam ansiedade, depressão, estresse, medo, ou qualquer tipo de inquietação mental, tiveram seus sintomas agravados diante dessa nossa atual situação.

Agora me responda às perguntas a seguir: Como você está? De que forma está passando por esse momento tão desafiador na vida de todos nós?

Pode ser que suas respostas automáticas sejam: Estou bem! Normal…

Diante disso, eu peço que você se faça a seguinte pergunta, e responda a si mesmo: O que é estar bem ou normalpara você? Essa resposta leva em consideração a sua saúde física e mental? Envolve também suas relações com sua família, seus amigos ou com seu trabalho?

Ainda que seja necessário considerar que nós não conseguimos estar bem tempo todo, é importante que nos pautemos no que a Organização Mundial de Saúde (OMS) estabelece como sendo seu conceito de saúde.

Para ela, estar saudável vai muito além de não estar doente. Ou seja, saúde contempla um bem-estar biopsicossocial e espiritual.

E aí você me pergunta: o que seria isso?

O que a OMS, defende, é que para que uma pessoa seja considerada saudável, ela precisa apresentar um bem-estar físico, que se remente ao seu corpo biológico. Além disso precisa estar com a saúde mental em dia, que é quando você não apresenta queixas frequentes relacionadas à ansiedade, frustração, estresse, medo, entre outros sentimentos negativos. Se faz necessário também que você estabeleça boas relações com as pessoas que convive em seu meio, e ainda, deve estar tranquilo com a sua espiritualidade. E espiritualidade para a OMS, é o sentindo que você dá a sua vida, ou a uma ideologia que acredita e segue, e não necessariamente tem relação com religião.

Com base no que a OMS define como saúde, sabemos que diante da PANDEMIA, a nossa saúde mental foi extremamente afetada. O medo, a ansiedade e o estresse tomaram conta, e aparecem de diversas formas: medo de perder alguma pessoa querida, medo de pegar a doença, uma vontade enorme de que tudo isso passe logo, nervosismo por situações financeiras agravadas… enfim, ocorre um bombardeio de sensações que talvez você não consiga dar conta sozinho, e pior, pode ser que a situação se agrave caso tente escapar desses sentimentos.

Por isso estou aqui para lhe passar três dicas que podem te auxiliar a passar por esse momento de crise da melhor forma possível:

DICA 1: IDENTIFIQUE O QUE VOCÊ SENTE!

É muito importante que você reconheça seus sentimentos para que consiga encontrar a melhor forma de lidar com eles.

DICA 2: INVESTIGUE O QUE ESSE SENTIMENTO QUER LHE DIZER!

Parece coisa de doido né? Mas não é! É necessário que você busque saber o que esse sentimento está querendo lhe mostrar, alarmar, ou talvez te proteger.

DICA 3: BUSQUE FORMAS PARA LIDAR COM O QUE ESTÁ SENTINDO!

Depois que você identifica o que está sentindo, você consegue encontrar uma forma de passar por essa situação sem maiores agravamentos. Muitas vezes, o medo, a ansiedade, ou o estresse, querem nos dizer algo, e se a gente não para pra escutar, pode ser que isso gere alguns prejuízos em nossas vidas.

Não é errado você se sentir triste, ansioso, com medo, estressado, deprimido em alguns momentos da vida, afinal somos humanos, e sentimos por natureza. Errado é você não sentir, e deixar de escutar essa voz que está dentro de você implorando por socorro.

Então, o convite que eu faço a você querido leitor, é: SE OUÇA! SE PERCEBA! SE SINTA! Pois só assim você conseguirá encontrar a sua melhor forma, e consequentemente, uma boa qualidade de vida.

Mas se mesmo diante dessas dicas você não se sentir bem, fale sobre o que sente a alguém que irá te acolher, e te ajudar a sair dessa experiência conflituosa que tem vivenciado.

Espero que este artigo chegue a você com muito carinho, e que você encontre dentro de você a sua melhor forma de viver!

Abraço!

Autora: Jessica Caroline Ramos Peres, Psicóloga Clínica CRP 04/47364


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo

Experimentoe o Novo Livre