Personalidades de Muriaé – Walter Vasconcelos

Walter Vasconcelos nasceu no dia 15 de abril de 1930, na cidade de Argirita (MG). Era filho de Catulino Moreira de Vasconcelos e de Adélia Atademo Vasconcelos.

Fez o antigo curso primário em sua terra natal e o secundário no Ginásio Leopoldinense. Concluídos os estudos, mudou-se para a cidade do Rio de Janeiro onde ingressou no Banco Ribeiro Junqueira. Posteriormente, de volta a Argirita, com a inauguração do escritório daquele estabelecimento bancário, chegou à gerência da agência ali criada.

Walter mudou-se para Muriaé no ano de 1963, quando aqui instalou a agência do Banco Ribeiro Junqueira S.A. da qual foi também gerente, devido a sua competência e honradez. Ficou, desta forma, conhecido e respeitado na então importante cidade da Zona da Mata Mineira em virtude das excepcionais qualidades humanas e profissionais que lhe doavam a personalidade. Foi também gerente do Banco Comércio e Indústria de Minas Gerais. Em 1967, desligou-se da vida bancária e, em 1968, passou a integrar o Grupo Vemasa, como sócio e diretor da firma Veículos e Máquinas S.A. e sócio-fundador e diretor de outras empresas do grupo, como a Motorpeças Ltda., Vetran S.A., Diniza S.A. e Arcos S.A., funções estas que exerceu até o seu falecimento.

Foi sócio-fundador e presidente do Lions Clube Centro, época em que colaborou intensamente com entidades beneméritas, tais como, Casa da Menina, Asilo dos Velhos, Grupos Escolares e Hospital São Paulo.

Conforme noticiou a “Folha de Muriaé”, em 31 de agosto de 1974, Walter Vasconcelos foi incluído entre os 15 maiores e melhores de Muriaé dentre vários setores. O mesmo jornal informou também, na edição de 17 de março de 1979, que por iniciativa de “Walter Vasconcelos, de saudosa memória”, o Hospital São Paulo pode comprar, importando dos Estados Unidos, moderno e necessário aparelho para suas instalações. Palavras do jornal: “Que os familiares e amigos de Walter Vasconcelos saibam do reconhecimento do Hospital São Paulo, que recebeu o fruto de atitude grandiosa de seu autor”.

Era casado com a leopoldinense Darcy Ienaco Vasconcelos e, juntos, dedicaram-se com afinco ao erguimento da APAE em nossa cidade de onde era diretor-tesoureiro.

O casal teve três filhos: Danilo Ienaco Vasconcelos, Daniela Ienaco Vasconcelos e Walter Vasconcelos Júnior. Dona Darcy reside, atualmente, em sua terra natal, Leopoldina.

Sempre preocupado com o bem comum, foi diretor da Cooperativa dos Produtores de Leite de Argirita e Responsabilidade Ltda. e vereador e presidente da Câmara Municipal daquela cidade por diversas vezes.

Também, em Argirita, fundou o jornal “O Argiritense”, em cujas páginas, como seu principal redator, expressou-se com admirável estilo.

Era homem de larga visão e de dedicação aos especiais, tanto que a Escola Estadual Walter Vasconcelos, de Educação Especial, no bairro Cerâmica, leva seu nome em justa homenagem. A escola foi criada e autorizada a funcionar em adjunção com a APAE. Walter foi eleito presidente da APAE por três mandatos. Atualmente, esta instituição atende aproximadamente a 1200 pessoas, sendo que, deste total, 400 são frequentadores diários. São 31 funcionários mais 34 pessoas trabalhando na parte executiva sob coordenação do atual presidente Sr. Messias Soares Vardiero. Para sua manutenção, a instituição recebe uma verba do Governo Federal. Porém, são as doações e o apoio da comunidade, as principais rendas da APAE. São incansáveis os gestos de solidariedade da população muriaeense que não mede esforços. Já a escola, atualmente, atende a 400 alunos em sala de aula e 120 alunos de outras escolas que assistem a salas de recurso e mais 87 em oficinas pedagógicas. São 88 funcionários sob coordenação da diretora Diva de Castro Ligeiro e da vice-diretora Maria Edméa de Oliveira Andrade.

Este ilustre cidadão sempre soube em vida demonstrar um grande carinho para com Muriaé e sua gente.

Walter Vasconcelos faleceu no dia 28 de setembro de 1978, aos 48 anos de idade. Partiu cedo deixando saudades a familiares, parentes, amigos e à sociedade muriaeense que o acolheu e a sua família por ser um homem digno de reconhecimento por seus trabalhos realizados aqui em prol do menos favorecido.

Fonte: João Carlos Vargas e Flávia Alves Junqueira / Memorial Municipal


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo