Caminhoneiros ameaçam greve no dia 1º de novembro se governo não baixar diesel

BR-060, que liga Brasília a Goiânia
Grupos de caminhoneiros, incluindo transportadores de combustível de Minas Gerais, prometem nova paralisação a partir de 1° de novembro.

O movimento exige que o governo baixe o preço do combustível, além do cumprimento do frete mínimo. Outra reivindicação é o retorno da aposentadoria especial após 25 anos de contribuição ao INSS.

O estado de greve de 15 dias foi definido após uma assembleia de motoristas conduzida por sindicatos do Rio de Janeiro, com participação de lideranças da greve de 2018.

A Frente Parlamentar Mista dos Caminhoneiros Autônomos e Celetistas, presidida pelo deputado federal Nereu Crispim (PSL-RS), se propôs intermediar as negociações com o Planalto.

O presidente do Sindicato das Empresas Transportadoras de Combustíveis e Derivados de Petróleo do Estado de Minas Gerais (Sindtanque-MG), Irani Gomes, confirmou à reportagem que a entidade pretende aderir à greve.

“É uma luta só. Esse movimento é mais horizontal, não tem uma liderança nacional. Mas a gente aqui apoia sim. Precisamos da redução de ao menos 40% no preço do diesel, senão, não dá pra trabalhar”, afirmou o dirigente.

Em 2021, o diesel e o gás de cozinha já acumulam alta de 38%. A gasolina subiu 51% no mesmo período. O último reajuste, de 8,9%, foi anunciado pela Petrobrás em 28 de setembro.

A estatal justificou o aumento como reflexo da elevação dos patamares internacionais de preços de petróleo e da taxa de câmbio.

Em 9 de setembro, caminhoneiros de todo Brasil articularam protestos por todo o Brasil . Os motoristas chegaram a bloquear estradas de 15 estados, incluindo Minas Gerais, por aproximadamente 24 horas.

Fonte: Jornal Estado de Minas


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo