Home / Notícias / Cidade / Alimentos ficam mais caros e mercado limita quantidade de itens por cliente em Muriaé

Alimentos ficam mais caros e mercado limita quantidade de itens por cliente em Muriaé


A greve dos caminhoneiros afetou o abastecimento dos mercados em todo país. Em Muriaé, alguns alimentos já estão mais caros e um estabelecimento passou a limitar a quantidade de itens por cliente.

Durante pesquisa na cidade, foi verificado pelo GUIA MURIAÉ que alguns alimentos já estão mais caros. É o caso do da batata. Até a semana passada o quilo era encontrado por até R$ 1,99. Nesta sexta-feira (25), o quilo já estava sendo vendido por R$ 7,49. O tomate também está mais caro. Se antes podia ser encontrado por até R$ 2,99 o quilo, agora já custa quase R$ 10 em alguns estabelecimentos. Segundo os comerciantes, a redução da oferta e o aumento da procura causaram o aumento nos preços. Caso a greve continue, a tendência é que os preços aumentem ainda mais.

Outra realidade na cidade é que alguns mercados estão começando a limitar a quantidade de itens por cliente. O Bahamas Empório, por exemplo, passou a estampar duas mensagens para os clientes. Uma delas dizendo que, para evitar o desabastecimento, alguns produtos poderão estar limitados na área de vendas. “A ‘justa causa’ tem por objetivo atender o maior número de clientes possível”, afirma a loja. A outra dizendo que a greve dos caminhoneiros pode prejudicar o abastecimento de alguns produtos/setores. Segundo funcionários, além das ofertas da TV, o açúcar e o óleo estão limitados.




Paralisação dos caminhoneiros entra no quinto dia

Mesmo após o anúncio de um acordo com o governo nessa quinta-feira (24), caminhoneiros mantêm pontos de manifestação em diversas partes do país, inclusive em Muriaé, onde ocorrem interdições nas BRs 116 e 356.

Pelo acordo firmado ontem à noite entre o governo e representantes dos caminhoneiros, a paralisação seria suspensa por 15 dias. O acordo foi unanimidade. O presidente da Associação Brasileira dos Caminhoneiros (ABCAM), que representa 700 mil caminhoneiros, chegou a sair da reunião pelo fato do governo não aceitar as reivindicações da categoria de zerar os impostos sobre o diesel.

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) informou que ainda não registra desmobilização.

Fonte: Guia Muriaé

Confira também

Centenas de famílias muriaeenses ficam mais perto de receber escrituras de imóveis

Mutirão de Conciliação, realizado por meio de parceria da Prefeitura com instituições, facilitou acesso ao …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *