Hotéis poderão reabrir com restrições em Muriaé; medida ainda precisa de aval do prefeito

Desde quinta-feira (28), hotéis e similares passaram a integrar a onda verde do plano Minas Consciente, que engloba as atividades essenciais.

A decisão foi tomada após apresentação de parecer técnico do Comitê Extraordinário Covid-19 do Governo de Minas Gerais. A conquista foi alcançada em parceria entre as secretarias de Cultura e Turismo (Secult) e de Desenvolvimento Econômico (Sede), que articularam, junto à Secretaria de de Saúde (SES) e ao Comitê Extraordinário, a liberação de protocolos do Minas Consciente que permitam que o setor do turismo volte gradativamente às suas atividades com garantia da segurança à saúde de todos os envolvidos. A inclusão dos serviços de hotelaria foi o primeiro deles.

A cidade Muriaé aderiu ao Minas Consciente e atualmente está classificada na onda verde para retomada das atividades econômicas. Diante da nova classificação dos hóteis por parte do Governo do Estado, o prefeito Grego já pode autorizar a reabertura dos hóteis em Muriaé. A medida pode ser anunciada ainda nesta sexta-feira (29), durante live para falar sobre a situação do coronavírus no município.

Adaptação

O secretário de Estado de Cultura e Turismo, Leônidas Oliveira, destaca que a decisão foi tomada em consideração à relevância econômica do setor para o Estado e com base na avaliação da SES sobre a capacidade de adaptação dos hotéis em relação à higienização e ao distanciamento social. Além disso, o Comitê Extraordinário Covid-19 enxerga os serviços de hospedagem também como um instrumento de combate à propagação do coronavírus, já que podem ser ocupados como alternativa de moradia por profissionais da Saúde e outras áreas que trabalham na linha de frente do enfrentamento à pandemia.

“Estamos em constante diálogo com a SES para que tudo seja feito da forma mais segura e consciente possível. Consideramos um avanço conseguir fazer com que o setor de hotelaria saia da onda vermelha do Minas Consciente, que representa atividades de alto risco, para a onda verde, dos serviços essenciais. Isso significa o início de uma retomada que está sendo muito bem planejada pela Secult, por meio da avaliação das demandas recebidas de entidades representativas e parceiras da pasta. Reforço que todas as propostas estão sendo construídas em conjunto com os mais diversos atores do turismo em Minas Gerais”, explicou o secretário.

Demanda

Para o secretário-adjunto da Sede, Fernando Passalio, a inclusão dos hotéis na onda de serviços essenciais deve-se à relevância desse segmento em diversos aspectos. “No início, fazíamos ideia de que os serviços de hotelaria pudessem atrapalhar o distanciamento social e a contenção da propagação do coronavírus, por ter muita ligação com as atividades turísticas. Porém, depois que a sociedade passou a ter mais consciência sobre a importância do isolamento, deu-se espaço para o atendimento à demanda do setor hoteleiro, que envolve tantas outras cadeias essenciais da economia. Além disso, muitos setores precisam de hotéis: médicos precisam viajar e prestadores de serviços essenciais também, como pessoas que fazem manutenção de equipamento médico”, afirma.

Como estabelece o Minas Consciente, os municípios mineiros têm total autonomia para decidir sobre a adesão ao plano, baseado em protocolos sanitários e outros índices de monitorameto da pandemia.

O Governo divulgou o protocolo sanitário que orienta a retomada do setor, definindo regras de funcionamento, que são as seguintes:

* redução de 50% da capacidade total de hospedagem,
* suspensão do serviço de entrega e retirada de bagagens,
* restrição da circulação nos elevadores a uma pessoa por vez,
* só o próprio hóspede pode trocar sua roupa de cama,
* as efeições só poderão ser fornecidas por meio do serviço de quarto
* após se alimentar, o cliente precisa lacrar os utensilios que utilizou em um saco plástico e acondicioná-los em carrinhos do lado de fora de sua habitação.
* instalação de barreira de acrílico ou vidro na recepção,
* disponibilização de álcool em gel 70% e máscaras para aos clientes recém-chegados

O documento é constantemente atualizado de acordo com as avaliações da Secretaria de Estado de Saúde.

Orientações

O protocolo sanitário dos serviços de hotelaria e similares contém mais de 50 orientações. Uma delas diz respeito à permanência de funcionários pertencentes ao grupo de risco em trabalho remoto. Outra recomendação é para que colaboradores que apresentem sintomas de resfriado ou gripe sejam afastados das atividades presenciais pelo período mínimo de 14 dias. Também devem ser respeitados o uso de equipamentos de proteção individual (EPI´s), a higienização pessoal com a lavagem correta e constante das mãos e uso de álcool 70%, a desinfecção de ambientes e práticas de prevenção como distanciamento social, entre outras.

Fonte: Agência Minas


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo

Experimentoe o Novo Livre