Câmara de Muriaé recebe Ministério Público na segunda reunião semanal de 2018



A reunião da Câmara de Muriaé, realizada nessa terça-feira (20), teve a participação da promotora pública Jackeliny Ferreira Rangel, do Ministério Público da Comarca de Muriaé, que esteve presente com o propósito de apoiar o projeto de Lei de autoria do vereador Devail Gomes Corrêa (PP), que reconhece como Utilidade Pública Municipal o Conselho Comunitário de Segurança Pública de Muriaé (CONSEP). O projeto foi aprovado, assim como outros, sendo dois do vereador Prof. Júlio Simbra voltados à segurança e à saúde nas escolas municipais.

CONSEP é reconhecido como entidade de Utilidade Pública Municipal




O CONSEP teve reconhecida sua Utilidade Pública Municipal pela Câmara na sessão de 20/02. De autoria do vereador Devail Gomes Corrêa, o projeto contou com o apoio da promotora pública Jackeliny Ferreira Rangel que falou a tribuna sobre a importante atuação deste organismo local na promoção de ações e políticas que geram impactos positivos na área de segurança pública do Município, citando alguns casos específicos de grande representatividade. O CONSEP tem por finalidade colaborar nas atividades de prevenção e manutenção da ordem pública, visando maior eficiência, presteza e controle de suas ações em defesa da comunidade. O Conselho é constituído voluntariamente por autoridades locais, membros destacados da comunidade, representantes de entidades de classe, culturais ou religiosos, clubes de serviço, associações de bairros ou distritais e demais moradores das áreas abrangidas por sua atuação.

Dois projetos visando saúde e segurança nas escolas municipais

Foram aprovados também dois projetos do vereador Prof. Júlio Simbra voltados às escolas municipais no que tange à segurança e saúde da comunidade escolar.

O primeiro estabelece diretrizes para a política pública de prevenção e combate à violência nas escolas e creches municipais e proteção aos profissionais da educação. O autor do projeto, vereador Professor Júlio Simbra (DEM), justifica que sua elaboração se deu em função deste “fenômeno ter tomado proporções desafiadoras”, tornando-se rotina nos noticiários notícias que envolvam a violência nas escolas ou suas imediações, vitimando professores, alunos e comunidade escolar de modo geral.

Para o vereador, é necessário “identificar escolas onde ocorrem conduta ou atos de violência, suas principais causas, bem como outros fatores considerados relevantes para a sua análise3, com vistas à elaboração de relatórios que orientarão ou subsidiarão ações sociais, políticas públicas de prevenção, estudos e pesquisas com o objetivo de reduzir ou erradicar a violência no ambiente escolar”. O projeto prevê várias ações como a realização de seminários, palestras tratando do tema, criação de equipe multidisciplinar na Secretaria Municipal de Educação, Esporte e Lazer para mediação de conflitos, além de vários procedimentos que facilitarão o diagnóstico da situação, a identificação de suas causas e os caminhos para a solução.

Com este projeto, professor Simbra acredita que “serão criadas condições a partir da convergência de diferentes fontes de informações para análise correta do fenômeno e para a operacionalização de ações específicas envolvendo toda a comunidade escolar de forma a amadurecer o combate a este fenômeno social candente na atualidade”.

O outro projeto do vereador altera lei já existente, incluindo às escolas municipais uma parceria no controle da vacinação dos estudantes do município. Ele cobra dos pais ou responsáveis a apresentação de declaração que certifique a atualização da vacinação da criança e do adolescente emitida pela Estratégia Saúde Familia da UBS – Unidade Básica de Saúde de seu bairro ou pela própria Secretaria de Saúde do Município. Além disso, determina que o estabelecimento de ensino deverá identificar os alunos já matriculados que porventura não apresentaram a Carteira de Vacinação, juntamente com a Declaração da SMS, cobrando-os o documento até o quinto dia letivo do ano em curso. O objetivo desta medida, segundo seu autor, é “promover a divulgação e a importância da vacina, minimizando o risco de contaminação e epidemias no ambiente escolar, a fim de reduzir ou, até mesmo, erradicar várias doenças”.

Todos os projetos aprovados seguem para a sanção do Executivo Municipal.

Fonte: CMM

Últimas notícias em vídeo



Envie um comentário

 

Política de moderação de comentários

A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o administrador do site pelo conteúdo do mesmo, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste site reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal/familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.