Home / Notícias / Região / Decretada situação de emergência na região de Manhuaçu com surto de febre amarela

Decretada situação de emergência na região de Manhuaçu com surto de febre amarela

O Governo de Minas Gerais decretou, na última sexta-feira (13), situação de emergência em saúde pública por 180 dias em áreas do estado onde há surto de febre amarela. O decreto contempla 152 municípios das unidades regionais de saúde de Governador Valadares, Coronel Fabriciano, Manhumirim e Teófilo Otoni. Com o decreto, fica autorizada a adoção de medidas administrativas para contenção do surto, como aquisição de insumos e materiais e constratação de serviços necessários ao atendimento da situação de emergência

Neste ano, 47 pessoas já morreram em Minas com sintomas da doença. Até então, pelo menos 10 mortes são consideradas prováveis, pois o exame preliminar acusou positivo, de acordo com o último informe epidemiológico divulgado pela Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG), divulgado nessa segunda-feira (16). Já foram 152 casos notificados em 26 cidades mineiras. De acordo com a SES-MG, ainda não foram notificados casos na zona urbana. A transmissão na área rural está relacionada ao mosquito Haemagogus, enquanto na zona urbana é transmitida pelo Aedes aegypti.




O decreto de situação de emergência contempla vários municípios da zona da mata mineira que fazem parte da Unidade Regional de Saúde de Manhumirim, que compreende 34 cidades: Abre Campo, Alto Caparaó, Alto Jequitibá, Caiana, Caparaó, Caputira, Carangola, Chalé, Conceição de Ipanema, Divino, Durandé, Espera Feliz, Faria Lemos, Fervedouro, Ipanema, Lajinha, Luisburgo, Manhuaçu, Manhumirim, Martins Soares, Matipó, Mutum, Orizânia, Pedra Bonita, Pedra Dourada, Pocrane, Reduto, Santa Margarida, Santana do Manhuaçu, São João do Manhuaçu, São José do Mantimento, Simonésia, Taparuba e Tombos.

Em Muriaé, a procura pela vacina da febre amarela tem levado centenas de pessoas as unidades de saúde do município. “A vacina normalmente é indicada para crianças acima de 9 meses de idade até 59 anos, com uma dose de intervalo no adulto entre 10 anos e a criança com reforço com 4 anos de idade. Na área do surto, nós estamos trabalhando com a indicação de seis meses e pacientes acima de 59 anos de idade, discutir com a equipe de saúde”, explicou Rodrigo Fabiano do Carmo, subsecretário de Vigilância e Proteção à Saúde da SES-MG. Fora da área do surto, as pessoas ficam imunizadas com duas doses durante a vida toda. A vacina é contraindicada para gestantes e lactantes até o oitavo mês.

Fonte: Guia Muriaé, com informações do G1 e Estado de Minas




Confira também

Adolescente é baleado em Viçosa

Um adolescente de 15 anos foi vítima de uma tentativa de homicídio, na madrugada de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *