Jovem queria tirar segunda via de documentos de graça e acaba preso após inventar roubo

Um jovem de 23 anos foi preso, na tarde dessa terça-feira (26), por falsa de comunicação de crime na cidade de Ubá.

Por volta das 13h30, durante patrulhamento pela Avenida Juscelino Kubitscheck, militares depararam com um rapaz, que relatou que deslocava para o seu trabalho, foi abordado por dois indivíduos em uma motocicleta.

Ele afirmou que o passageiro do veículo, armado com um revólver, anunciou o roubo e levou sua carteira, que continha seus documentos pessoais. Ainda em relato a polícia, disse que só procurou a PM aproximadamente duas horas depois do fato, pois seu patrão falou para ele fazer o registro da ocorrência.

De imediato, os policiais passaram todas as informações para o Centro de Operações para que todas as viaturas de serviço tomassem conhecimento do fato, bem como foi desencadeada uma operação de rastreamento e busca dos autores do suposto crime.

Durante as diligências, um dos policiais fez contato com a genitora do rapaz para pegar mais informações sobre o fato ocorrido, tendo ela relatado que seu filho não está trabalhando, o que levantou a suspeita, pois o mesmo havia falado que seu patrão é quem tinha o orientado a fazer o registro da ocorrência. Ainda durante as diligências a esposa do jovem relatou que ele esta aguardando vaga para se internar.

Novamente questionado, o rapaz relatou que precisava de seus documentos para se internar e que amigos lhe falaram que se ele fizesse o registro de roubo, não teria que pagar para fazer a segunda via dos documentos, tendo ele simulado o crime para poder poder conseguir os documentos gratuitamente.

Diante dos fatos, o autor foi preso em flagrante. A pessoa que faz a comunicação de um crime que não ocorreu, gerando a atuação de uma autoridade no intuito de investigar o falso crime, pode ser responsabilizada pelo crime de comunicação falsa de crime, previsto no artigo 340 do Código Penal, e está sujeita a uma pena de até 6 meses de detenção e multa.

O criminoso, por meio de uma mentira, movimenta vários órgãos do Estado, para investigar um crime que não existiu, como: delegacia, fórum, Ministério Público, entre outros.

Ainda de acordo com informações da PM, o autor é suspeito de um roubo ocorrido em 29 de dezembro de 2015.

Fonte: Guia Muriaé


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo

Experimentoe o Novo Livre