Polícia Civil realiza saturação de zonas quentes de criminalidade em Juiz de Fora

A Polícia Civil de Minas Gerais, na noite desta quinta-feira (07/5) e madrugada de sexta (08/05), realizou operação policial com o objetivo de identificar autores de roubos e furtos em diversas regiões de Juiz de Fora. A ação foi realizada pela 1ª Delegacia Regional de Juiz de Fora, através da delegacia especializada de repressão a roubos, com apoio de policiais da inspetoria regional, 7ª delegacia distrital, núcleo de acervo cartorário e setor de inteligência.

Na noite de quinta feira e madrugada de sexta os policiais civis saíram as ruas de Juiz de Fora, buscando identificar e qualificar suspeitos de delitos patrimoniais e realizando incursões em regiões com maiores índices de criminalidade.

Mapeamento das áreas com maiores índices de crimes patrimoniais

A ação realizada nesta noite e madrugada foi fruto de levantamentos dos policiais da Delegacia Especializada de Repressão a Roubos e do setor de Inteligência Policial, os quais analisaram as ocorrências policiais, verificando os locais de maior incidência dos delitos patrimoniais, verificando também os horários de maior incidência desses crimes. De posse dessas informações, foi elaborado um mapa com os pontos mais críticos os quais foram alvo da saturação nesta noite.

Conforme o levantamento feito, os bairros com maiores índices de delitos patrimoniais são Bom Pastor, Centro e Benfica, sendo que em todos estes casos, os crimes ocorrem, em sua grande maioria, no período da noite, horário em que há menor fluxo de pessoas.

Análise do perfil dos criminosos

Apurações feitas, indicaram que a maior parte dos crimes cometidos, são realizados por usuários de drogas que perambulam nas imediações destes locais.

“Através do mapa criado pelos investigadores, foi possível ver claramente a influência dos pontos de aglomeração de usuários de drogas na ocorrência destes delitos”, afirmou o delegado Rogério Woyame, titular da DERR.

Investigação de 27 roubos

Com os elementos de investigação arrecadados com a ação de hoje, a delegacia especializada de roubos coletou informações que podem auxiliar na apuração de no mínimo 27 roubos que estavam sob investigação. ” Esse tipo de crime, praticado por pessoas sem residência fixa, torna-se de difícil apuração, pois em muitos casos a polícia tem grande dificuldade de localizar o suspeito, uma vez que este não possui residência fixa. Por isso consideramos que a ação de hoje foi bastante produtiva”, ressaltou a delegada Camilla Miller, titular da 7ª delegacia, responsável pela região central da cidade.

Foram identificados, através desta operação, 18 suspeitos de roubos e furtos nessas regiões e tal diligência poderá resultar na expedição de diversos mandados de prisão nos inquéritos de que tais pessoas são alvo.

Sensação de segurança e efeito preventivo

“Além da sensação de segurança passada a população por ver a polícia realizando incursões durante a noite e madrugada, horários em que estão ocorrendo a maior parte dos crimes, há também um efeito preventivo nestas operações. O fato de um indivíduo, que está inserido no meio criminoso, ser abordado e qualificado pelos policiais, já diminui sua ousadia em praticar os delitos. Desta maneira, esperamos reflexos muito positivos nos índices de delitos patrimoniais nestas regiões”, destacou o delegado Rogério Woyame.

Além da identificação dos suspeitos e produção de provas para os inquéritos, a operação desta noite e madrugada resultou na apreensão de facas e outros objetos perfuro cortantes e uma máscara que pode ter sido utilizada para prática de roubos.

Fonte: Jornal O Vigilante Online


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo