Polícia realiza reconstituição de morte de advogado em Juiz de Fora



Nesta terça-feira (23), a Polícia Civil de Minas Gerais realiza, em Juiz de Fora, a reconstituição do crime ocorrido em uma residência no bairro Parque das Torres, onde um advogado de 75 anos teria sido assassinado com golpes de tijolo, pedra e machado, e seu corpo jogado no Rio Paraibuna.

Os dois suspeitos, de 20 e 21 anos, participam na reprodução simulada dos fatos. Eles já se encontram na unidade prisional em virtude de cumprimento de mandado de prisão expedido pela Justiça.

Segundo o Delegado responsável pelas apurações, Luciano Vidal, a reconstituição tem como finalidade esclarecer a mecânica do crime e alguns pontos que estariam divergentes.




Investigações

De acordo com o Delegado Luciano Vidal, no dia 9 de janeiro, familiares procuraram as 1ª e 2ª Delegacias, em São Mateus, para informar sobre o desaparecimento do advogado. Ele não teria retornado para casa desde o dia 2 do mesmo mês. “Começamos a investigar o desaparecimento e conseguimos a informação de que ele teria sido executado na residência”, informou, complementando que equipes das 1ª e 2ª Delegacias e Delegacia Especializada de Homicídios foram até a residência, na última quarta-feira (17), e encontraram um dos suspeitos, de 21 anos. O jovem confessou o crime, relatando que o outro investigado teria matado o advogado e que ele teria ajudado a carregar e jogar o corpo da vítima no Rio Paraibuna.

Ele disse que o crime teria acontecido por conta de uma dívida de R$300 referente a honorários. Na ocasião, o Corpo de Bombeiros foi acionado para fazer buscas pelo corpo. O mandado em desfavor do outro suspeito, de 20 anos, também foi cumprido no dia seguinte, na quinta-feira (18), quando, durante depoimento, o jovem também confessou o crime e disse que primeiro teria desferido golpes de tijolo e pedra e, depois, de machado. Em seguida, eles teriam jogado o corpo no rio. Na mesma data, após diligências, a Polícia Civil conseguiu recuperar o celular da vítima, localizado na Zona Norte. O aparelho teria sido vendido pelos suspeitos para outra pessoa.

O Delegado também explicou que o corpo do advogado ainda não foi localizado, no entanto, quando não se encontra o corpo, deve-se provar a materialidade de forma indireta. “A Polícia Civil já tem o sapato da vítima encontrado na beira do Rio Paraibuna, atrás da casa do suspeito, e o celular da vítima também foi recuperado”, disse, complementando que a pessoa que estava com o aparelho foi ouvida na última segunda-feira (22) e contou que o suspeito de 20 anos teria vendido o aparelho da vítima por R$200, sendo que o investigado disse a ela que realmente tinha matado o advogado e jogado o corpo no rio. A última ligação feita pelo advogado foi realizada no dia 2 de janeiro, aproximadamente às 20h25, para o telefone desse investigado.

Ainda conforme o delegado, a esposa da vítima também esteve na Delegacia e reconheceu o sapato e o telefone como sendo do advogado. As roupas de um dos autores que foram queimadas – pois estariam sujas de sangue – também foram localizadas no lote ao lado da residência.

As investigações prosseguem.

Fonte: PCMG

Últimas notícias em vídeo



Envie um comentário

 

Política de moderação de comentários

A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o administrador do site pelo conteúdo do mesmo, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste site reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal/familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.