Endocrinologista alerta para os riscos do excesso de peso em crianças

Guia Muriaé no WhatsApp

O problema vai além dos números da balança. A obesidade infantil já é considerada uma epidemia mundial. Segundo a Organização Mundial da Saúde, cerca de 340 milhões de crianças e adolescentes, entre 5 e 19 anos, apresentam sobrepeso e obesidade. No Brasil, o Ministério da Saúde estima que uma em cada 3 crianças esteja nesta condição, ou seja, acima do peso esperado para sua idade, altura e sexo.


Em referência ao Dia da Conscientização contra a Obesidade Mórbida Infantil, 3 de junho, a endocrinologista pediatra do Sabin Diagnóstico e Saúde, Pietra Moleirinho, alerta para os riscos, ocasionados pelo excesso de peso, à saúde das crianças. “O sobrepeso ou a obesidade infantil favorecem o desenvolvimento de muitas outras doenças crônicas, como hipertensão, diabetes, problemas cardiovasculares, articulares e ósseos”, explica.

Além disso, a especialista chama a atenção para a saúde mental das crianças. Questões emocionais podem causar ou agravar a obesidade. “É importante estarmos atentos à relação com a saúde mental. Distúrbios como ansiedade, depressão e compulsão alimentar podem tanto contribuir para o aumento de peso como ser consequência da situação estabelecida”.

Mas, segundo a endocrinologista, nem sempre a obesidade estará relacionada ao alto consumo de alimentos ou ao sedentarismo. “Questões hormonais, metabólicas e predisposição genética, associada a hábitos de vida pouco saudáveis, são alguns dos principais fatores para o desenvolvimento da doença”.

Por isso, é importante o acompanhamento médico, que direcionará os exames mais específicos para rastreio de comorbidades associadas, como diabetes, colesterol alto, alterações da tireoide, vitamina D baixa, alterações na função hepática, entre outras. “O diagnóstico é clínico, mas suas causas precisam ser rastreadas através de testes laboratoriais para descobrir a origem do problema”.
 
Em crianças, o aumento do peso ainda pode acarretar a puberdade precoce, como explica a consultora médica do Sabin. “É possível ocorrerem alterações hormonais, antecipando o aparecimento de caracteres sexuais, especialmente, nas meninas. Entre eles estão pelos pubianos, brotos mamários ou a primeira menstruação antes do tempo esperado”, explica.

Para evitar o aparecimento de novos casos de obesidade, ainda na infância, a especialista recomenda, aos pais e responsáveis, um conjunto de boas práticas. “Manter uma alimentação adequada durante a gestação, amamentar exclusivamente com o leite materno até os seis meses de idade, realizar introdução alimentar baseada em refeições saudáveis, estimular a prática de atividades físicas, não oferecer açúcar até os dois anos e evitar o consumo após essa idade, reduzir ingestão de industrializados, controlar o tempo de uso de aparelhos eletrônicos, combater o sedentarismo, além de realizar o tratamento precoce e adequado de doenças correlacionadas”, pontua.

Fonte: Michele Vieira Leocádio

WhatsApp Receba nossas notícias direto no seu WhatsApp! Envie uma mensagem para o número (32) 99125-5754 ou pelo link https://wa.me/5532991255754
Seguir o Guia Muriaé no Google News
📲 Acompanhe o GUIA MURIAÉ - Facebook / Instagram / Telegram / Threads / TikTok / Twitter / YouTube / WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Guia Muriaé no WhatsApp
Botão Voltar ao topo