Minas Gerais propõe atuação conjunta na repressão ao tráfico



Minas Gerais está propondo aos Estados do Paraná, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso e Rondônia um consórcio para atuação conjunta dos órgãos de segurança na repressão ao tráfico de drogas. A revelação foi feita nesta terça-feira (21/8/12) pelo secretário-adjunto de Defesa Social de Minas Gerais, Denilson Feitosa, durante reunião da Comissão Especial para o Enfrentamento do Crack da Assembleia Legislativa de Minas Gerais. Segundo Feitosa, essa integração pode envolver troca de informações e mesmo a área operacional.

Nesta terça, a comissão mineira recebeu convidados de outros 13 Estados brasileiros e do Distrito Federal, que participam do 3º Fórum Nacional de Gestores sobre Drogas, em Belo Horizonte. Durante o debate, vários representantes estaduais se queixaram de omissão ou falta de apoio do Governo Federal e propuseram uma moção para que se exija da União a realização da Conferência Nacional de Políticas sobre Drogas.

Algumas das críticas ao Governo Federal partiram de Denilson Feitosa, que apontou a cooperação entre os Estados como uma solução possível para a omissão federal na repressão ao tráfico. “Minas não produz drogas, elas vêm principalmente do Paraná, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso e Rondônia. Temos que impedir que ela chegue aqui, temos que ter um ciclo completo, que trabalhe a prevenção, a repressão e a assistência aos usuários”, defendeu o secretário.

A secretária de Estado da Promoção da Paz de Rondônia, Maria da Penha de Souza Menezes, afirmou que o Estado tem 1.342 quilômetros de fronteira com a Bolívia e que está pronto a receber o apoio de outros governos estaduais para estruturar suas ações relativas às drogas.

A deputada Liza Prado (PSB) e o presidente da Comissão Especial, Paulo Lamac (PT), destacaram a realização do fórum interestadual como uma oportunidade para a troca de experiências exitosas e para otimização de recursos públicos na área do controle do uso de drogas. O deputado Vanderlei Miranda (PMDB) defendeu a reserva constitucional de um percentual de recursos orçamentários para o financiamento de políticas sobre drogas. Em sua avaliação, esse percentual deveria ser fixado dentro da quota já determinada para a área da saúde.

Conferência

Uma das propostas formalizadas durante o debate entre os participantes do Fórum e os integrantes da Comissão Especial foi a aprovação de uma moção a ser encaminhada ao Governo Federal, no sentido de cobrar a realização da 1ª Conferência Nacional de Políticas sobre Drogas. A proposta partiu do secretário da Promoção da Paz do Estado de Alagoas, Jardel Aderico, e foi endossada pelo subsecretário de Estado de Políticas sobre Drogas de Minas Gerais, Cloves Benevides. O subsecretário ressaltou que, se não tivessem acontecido as conferências da infância e da adolescência ou da segurança, boa parte da legislação e das políticas públicas implantadas nessas áreas não existiriam hoje.

Além da deliberação sobre a conferência, os participantes trocaram experiências como a de uma legislação implantada pelo Espírito Santo, que permite o impedimento – ou confisco – de bens oriundos do tráfico de drogas em favor do Estado. Convencionalmente, esse confisco e os leilões acontecem em favor da União, e para o Estado obter os recursos relativos a esses bens deve apresentar um projeto e entrar em uma outra fila junto aos órgãos federais. A nova estratégia do Espírito Santo foi apresentada pelo gerente de Capacitação, Articulação e Mobilização da Políticas sobre Drogas do Espírito Santo, Enrielton Chaves.

Outra experiência relatada foi a atuação do Estado de São Paulo e municípios paulistas no sentido de reprimir a venda de bebidas alcoólicas a menores de idade e de obrigar bares a fecharem as portas às 23 horas. Em Diadema (SP), essa última medida contribuiu para reduzir a taxa de homicídios de 102,8 por 100 mil habitantes, em 1999, para 9,52, em 2011. Jardel Aderico, de Alagoas, também apresentou projetos como os “Anjos da Paz”, para orientação domiciliar a famílias com usuários de drogas. Rafael West, coordenador de Políticas sobre Drogas de Pernambuco, falou sobre programas de prevenção e acolhimento, como o Atitude – Atenção Integral aos Usuários de Drogas e seus Familiares.

Fonte: Assembleia de Minas

Últimas notícias em vídeo



Envie um comentário

 

Política de moderação de comentários

A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o administrador do site pelo conteúdo do mesmo, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste site reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal/familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.