Misael Varella justifica voto favorável ao arquivamento da denúncia contra Temer



A Câmara dos Deputados rejeitou, nessa quarta-feira (2), a denúncia contra o presidente Michel Temer. Foram 263 votos a favor do parecer da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) contrário à admissibilidade da denúncia. Outros 227 deputados votaram contra o arquivamento.

O presidente disse, em pronunciamento na noite de ontem, que, com a rejeição da denúncia contra ele na Câmara dos Deputados, seguirá com as reformas e ações que julga necessárias para modernizar e melhorar o país. “Diante dessa eloquente decisão, posso dizer que seguiremos em frente com as ações necessárias para concluir o trabalho que meu governo começou há pouco mais de um ano”, disse.

O deputado muriaeense Misael Varella foi um dos parlamentares que votou pelo arquivamento da denúncia contra Temer. Em nota, ele afirmou ser a favor das investigações, mas que não seria bom o país ter o presidente afastado em um momento que começa a sair de uma das piores crises pela qual já passou.

Confira na íntegra a nota do parlamentar muriaeense:

Diante da repercussão sobre a votação da abertura de inquérito contra o Presidente Michel Temer, mantenho a postura de prestar esclarecimentos sobre meus votos após defini-los em Plenário, onde minha opinião possui valor prático. Por isso, a partir da conclusão do caso, seguem os meus esclarecimentos sobre o assunto:

Sou amplamente favorável às investigações e apurações minuciosas neste e em quaisquer casos de suspeitas de corrupção. Porém, é preciso ressaltar minha reprovação à conduta do MPF e da justiça perante os delatores da JBS, que durante 14 anos nos governos anteriores atuaram como agentes de um esquema bilionário de corrupção e a partir desta delação, foram beneficiados com a liberdade sem qualquer tipo sequer de punição. Esta atitude não condiz com condutas aplicadas em outros casos;

O momento atual não condiz com uma nova ruptura institucional, que só traria prejuízos ao país. Há cerca de um ano do próximo período eleitoral e com indicadores que sinalizam uma melhora econômica, acatarei qualquer decisão judicial sobre as investigações, porém o término do mandato do atual presidente acarretará turbulências ainda maiores, principalmente para a população.

No ano passado, chegamos ao fundo do poço com a pior crise pela qual já passamos e que extrapolou os limites econômicos e políticos. A retomada desta turbulência em nada agregaria à população, que ainda sofre com os altos índices de desemprego e perda do poder aquisitivo. Período que estamos superando aos poucos, com a queda da inflação, a criação (mesmo que ainda tímida) de novos postos de trabalho e a queda da taxa básica de juros;

Por fim, mantenho a minha posição de que todo político merece ser submetido ao mesmo rigor da lei, seja qual for o partido ao qual ele pertença. Inclusive, a justiça possui mecanismos e liberdade para investigar a fundo as provas apresentadas pelos delatores ou quaisquer outras denúncias que venham surgir após os fatos já ocorridos, que serão plenamente acatadas.

Como sabem, não possuo meu nome atrelado a casos de corrupção e, portanto, não cumpro determinações em troca de favores. Mantenho assim, com muito orgulho, um legado intacto iniciado pelo meu pai Lael Varella,que foi deputado federal por 28 anos em 7 mandatos consecutivos, especialmente na área da saúde, e por este mesmo motivo conservo minha consciência tranquila por não possuir quaisquer situações que me impeçam de expressar minha sincera opinião, sempre respeitando todo posicionamento que seja contrário ao meu.

Reafirmo que ainda desejo o mesmo rigor em investigações e punições,porém acredito que neste momento o povo brasileiro seria o grande derrotado em todos os aspectos e já no ano que vem todos eleitores terão novamente a oportunidade de escolher seu Presidente e seus representantes no Congresso Nacional.

Fonte: Guia Muriaé

Últimas notícias em vídeo



Envie um comentário

 

Política de moderação de comentários

A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o administrador do site pelo conteúdo do mesmo, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste site reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal/familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.