Após anos de luta, muriaeense conquista o tão sonhado Green Card



O muriaeense Mateus Costa e Monalisa

Durante uma das comemorações do Dia do Brasil em Nova York, a jovem Monalisa, de 24 anos, natural da região de Queens (NYC), filha de imigrantes cariocas, conheceu Mateus Costa, de 28 anos, natural de Muriaé (MG), e foi amor à primeira vista. Na ocasião, Monalisa residia em Danbury (CT). “Flechados pelo cupido”, eles namoraram, se casaram e fixaram residência em Connecticut, onde iniciaram vida a dois. Entretanto, o pesadelo na vida do casal estava apenas começando, logo depois que Monalisa aplicou para a legalização de Mateus, que havia entrado nos EUA com um passaporte “montado” (adulterado).

Em 2007, após ter a entrevista de imigração cancelada em Hartford (CT), o casal mudou-se para o estado natal de Monalisa, Nova York, onde, através de amigos, eles contataram a advogada especializada em imigração Jessica Salles, do escritório Koehler & Isaacs, com sede em Manhattan (NY). Depois de analisar a situação do casal, a advogada, apoiada nas diretrizes da lei, assumiu o caso, que estava pendente há vários anos.

“Obviamente, a união era legítima, ou seja, eles estavam juntos com o propósito de construir uma família tendo como base o amor. Entretanto, dependendo da forma como a pessoa ingressa no país, existem algumas restrições. Para as autoridades, a legitimidade do casamento estava mais do que clara, mas a forma como o Mateus entrou no país representava um problema”, explicou Salles.

“Você fica dividida, pois adoro ser norte-americana, mas também sei o que é ter pais imigrantes brasileiros. Além disso, você cresce cercada de pessoas que são imigrantes, ou seja, vejo a dificuldade de ambos os ângulos”, disse Monalisa.

Uma diretriz específica das leis de imigração determina que, caso o estrangeiro, nas mesmas condições de Mateus, consiga provar que o cônjuge norte-americano passará por dificuldades se ele deixar o país, a residência permanente (green card) pode ser concedida (Waiver). Baseada nessa diretriz, Jessica reabriu o caso e, após cerca de 2 anos de luta, na noite de 31 de agosto, ela foi informada que o caso havia sido aprovado e que seu cliente, Mateus, havia conseguido a tão sonhada legalização.

“A Jessica se tornou mais que uma advogada e sim uma verdadeira amiga. Durante todo o processo, liguei inúmeras vezes para ela, qualquer hora do dia, e sempre fui muito bem atendida. Mesmo quando eu deixava recados, ela me retornava. Isso nos ajudou muito quando eu e o Mateus enfrentávamos a angústia da espera. Agradeço muito à ela por tudo”, disse Monalisa.

O Koehler & Isaacs possui advogados especializados em diversas áreas e há vários anos atende a comunidade de língua portuguesa no Tri State area. O escritório fica localizado na 61 Broadway, 25º andar, próximo ao World trade Center, em Manhattan (NY). Os contatos podem ser feitos, em português, através do telefone: (973) 766-4792, (917) 551-1326 e (973) 551-5562 ou o web site: http://www.koehler-isaacs.com

Fonte: Brazilian Voice

Últimas notícias em vídeo



Envie um comentário

 

Política de moderação de comentários

A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o administrador do site pelo conteúdo do mesmo, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste site reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal/familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.