Home / Notícias / Região / “Voltei do inferno para matar o pastor”, disse atirador antes de matar três fieis

“Voltei do inferno para matar o pastor”, disse atirador antes de matar três fieis

Rudson Aragão Guimarães matou quatro pessoas
Após matar a ex-companheira, o autor da chacina de Paracatu, na Região Noroeste de Minas, matou outras três pessoas que estavam em uma igreja evangélica. Antes de matar os fieis, ele teria dito: “Voltei do inferno para matar o pastor”. O pastor acabou conseguindo se salvar.

O caso aconteceu na noite dessa terça-feira (21). Rudson Aragão Guimarães, de 39 anos, matou sua ex-companheira Heloísa Vieira, de 59 anos, a facadas. A mulher estava na casa da ex-sogra quando sofreu o ataque.

Após matar a ex-amásia, Rudson foi até a Igreja Batista Shalon. Ele invadiu o templo, quebrando o portão da entrada que estava trancado. No local, cerca de 20 pessoas estavam em uma reunião fechada.




Armado com uma garrucha calibre 36, com capacidade para um tiro, ele matou o pai do pastor, Antônio Rama, de 67 anos, e duas religiosas, Rosângela Albernaz, de 50 anos, e Marilene Martinho de Melo Neto, de 52 anos. As demais pessoas que estavam na igreja conseguiram fugir do local, pulando um muro nos fundos do imóvel.

Uma guarnição da Polícia Militar que estava pelas proximidades ouviu os disparos e deslocou para o local. Os militares atiraram duas vezes contra Rudson, que foi atingido na região do ombro e orelha, sendo contido. Ele foi socorrido e levado para um hospital local, onde encontra-se em estado grave.

O pastor da igreja, Evandro Rama, fraturou um dos pés enquanto tentava fugir da igreja. Ele seria o principal alvo do atirador. Rudson tinha sido afastado da igreja por causa de um possível envolvimento com drogas, além de ocorrências de surtos psiquiátricos, revelou o tenente-coronel Luis Magalhães.




Fonte: Guia Muriaé




Confira também

Com penas de até 23 anos, Justiça condena 16 pessoas por tráfico de drogas em Cataguases

Dezesseis pessoas, sendo elas quatorze homens e duas mulheres, foram condenadas pela prática dos crimes …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *