Muriaé em estado de alerta para dengue, zika e chikungunya



O combate ao mosquito Aedes aegypti, responsável por transmitir doenças como dengue, zika e chikungunya, foi intensificado em Muriaé. As ações desenvolvidas pela Prefeitura, que incluem mutirões casa a casa, inspeção de imóveis e mobilizações populares em praças já a partir desta semana, acontecem como resposta imediata ao último Levantamento de Índice Rápido do Aedes aegypti (LIRAa), feito entre os dias 15 e 19 de janeiro. O objetivo é reduzir os focos do inseto em toda a cidade e promover mais saúde e qualidade de vida para os muriaeenses.

Com a chegada do período mais propício à proliferação do mosquito, iniciado em outubro, o índice de 2,9 já era esperado. A boa notícia é que, embora o número registrado seja classificado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como indicativo de alerta, os dados mostram que a situação está mais controlada aqui do que em diversas outras cidades de Minas Gerais. Enquanto em Muriaé o LIRAa subiu de 0,9 para 2,9, Pará de Minas registrou alta dos mesmos 0,9 para 5,5. O aumento também pôde ser conferido em localidades da região, como Juiz de Fora (de 0,7 para 3,9), Ubá (de 3,8 para 8,2) e Viçosa (de 1,5 para 3,7). Vale lembrar que o índice considerado satisfatório pela OMS é de no máximo 1.




Os números comprovam ainda que a Prefeitura já havia ampliado as ações de combate ao Aedes aegypti na última primavera. Dados da Secretaria Municipal de Saúde mostram que foram realizadas 60.251 inspeções domiciliares entre outubro e dezembro de 2017 – quase o dobro em relação ao mesmo período do ano anterior. O número de mobilizações com atividades educativas e de conscientização também subiu, passando de 20 para 32. Foram promovidos ainda cursos de capacitação para agentes de controle de endemias e supervisores, além de reuniões para planejamento de estratégias.

Inverno atípico pode ter provocado aumento da proliferação do mosquito Aedes

Segundo a diretora do Departamento de Vigilância Ambiental da Prefeitura de Muriaé, Carla Morcerf, mesmo com a intensificação das atividades de combate ao longo de 2017, o crescimento do índice pode ter ocorrido em virtude do clima atípico verificado na região durante boa parte do ano passado. “O último inverno foi mais rigoroso que o normal, com temperaturas baixas sendo registradas entre os meses de abril e agosto. Algumas espécies podem ter sentido o fator climático como um risco para a perpetuação, e isso ter provocado, a partir do momento em que o clima ficou quente outra vez, uma maior proliferação não apenas do mosquito Aedes aegypti, mas também de pernilongos comuns, de gigogas aquáticas e de animais roedores”, explica.

Fonte: PMM

Últimas notícias em vídeo



Envie um comentário

 

Política de moderação de comentários

A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o administrador do site pelo conteúdo do mesmo, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste site reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal/familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.