Home / Notícias / Saúde e Bem-Estar / Vacina contra sarampo não é indicada para crianças com alergia ao leite

Vacina contra sarampo não é indicada para crianças com alergia ao leite

Crianças que apresentam reação alérgica ao leite de vaca não devem receber a vacina tríplice viral, que imuniza contra o sarampo, rubéola e caxumba. De acordo com o Ministério da Saúde, a vacina disponibilizada pelo laboratório Serum Institute of India Ltd e distribuída aos postos de saúde de Minas Gerais possui na composição uma proteína derivada do leite, chamada lacto albumina hidrolisada. A administração da vacina em crianças com alergia ao leite pode causar reações graves de natureza anafilática, entre elas urticária generalizada, dificuldade respiratória, edema de lábios e face.

A coordenadora de Imunização da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), Tânia Brant, ressalta que essa restrição só é válida para crianças com histórico de alergia ao leite de vaca. “A campanha de vacinação contra o sarampo não foi interrompida. É importante frisar que a vacina disponibilizada é de qualidade e segura. Ela só não deve ser administrada em crianças que tem alergia ao leite”, afirma.




A vacinação em crianças alérgicas ocorrerá em data posterior, a ser definida pelo Ministério da Saúde. De acordo com o órgão, foram notificados até o momento, em todo o país, 28 eventos adversos relacionados à vacina.

Campanha de Seguimento contra o Sarampo

Com o objetivo de corrigir falhas de imunização em crianças de um ano a menores de cinco, a Campanha de Seguimento contra o Sarampo é válida tanto para crianças que não estejam com o esquema vacinal em dia, quanto para aquelas que já tenham se vacinado. Além das crianças com alergia ao leite de vaca, não poderão ser vacinadas contra o sarampo as crianças que estiverem com doenças febris moderadas ou graves. Neste caso, a vacinação dever ser adiada até que a criança melhore. Para as que estiverem em uso de imunoglobulina, sangue e derivados a vacinação deverá ser adiada por três a 11 meses, dependendo do hemoderivado e da dose administrada, para evitar prejuízos na resposta imunológica pós-vacinação.




A vacina também é contraindicada para crianças que apresentaram reações alérgicas em doses anteriores e com imunodeficiência congênita adquirida.

Fonte: SES-MG





Confira também

Com mais uma morte e 43 novos casos, número de pacientes ativos volta a subir em Muriaé

Nesta terça-feira (14), foi registrada mais uma morte pela doença – a 40ª entre moradores …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Experimentoe o Novo Livre