Greve em Minas é prorrogada e postos podem ficar sem combustível a partir de terça

Os petroleiros de Minas Gerais decidiram continuar com a grave, que foi iniciada no sábado (29).

Os trabalhadores da categoria no estado foram contra a decisão do Federação Única dos Petroleiros (FUP), que suspendeu o protesto antes mesmo de ele começar.

O Sindicato dos Petroleiros de Minas Gerais (Sindipetro-MG) afirma que a a greve é em defesa do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) da categoria, em campanha salarial desde maio deste ano.

No final da tarde de sexta-feira (25), a categoria recebeu uma nova proposta do Tribunal Superior do Trabalho (TST), que desde o final de agosto media as negociações com a Petrobrás.

Em avaliação conjunta com a diretoria do Sindipetro-MG na manhã de sábado, os trabalhadores da Regap e Termelétrica Aureliano Chaves decidiram pelo corte de rendição de 8 horas. Portanto, não houve entrada dos trabalhadores dessas unidades no horário de 7h30.

Com a greve dos petroleiros em Minas, a possibilidade de faltar combustível nos postos é real. O Sindipetro-MG avalia que o risco é real e a partir desta terça-feira (29) pode ocorrer o desabastecimento em Minas Gerais e Brasília.

O Sindipetro-MG representa todos os trabalhadores da Petrobras no estado, que entre os da ativa e aposentados chega a 3 mil.

Fonte: Guia Muriaé, com informações do BHAZ


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo