Homem que atropelou e matou mulher durante “racha” é condenado a prisão



A 1ª Vara Criminal da Comarca de Manhuaçu, após julgamento do Tribunal do Júri, condenou Paulo Rafael Moura de Souza a 18 anos e 6 meses de reclusão e 1 ano e 9 meses de detenção por ter atropelado Jane Rodrigues de Souza. A vítima faleceu.

Segundo a denúncia, o motorista estava sob estado de embriaguez e disputava um “racha” na BR 262, km 33. Após o atropelamento, ele fugiu do local. O julgamento foi realizado na última quinta-feira, 7 de junho.

Os jurados entenderam que o condutor do veículo agiu com dolo eventual no momento em que atropelou a vítima, tendo assumido o risco de causar-lhe a morte. O Conselho de Sentença também considerou que o denunciado pelo Ministério Público, mesmo não sendo habilitado, participou de um “racha” e abandonou o local do acidente.




Para a dosimetria da pena, o juiz Marco Antônio Silva considerou que ficou configurado o homicídio doloso duplamente qualificado (artigo 121, § 2º, II e III do Código Penal), daí a fixação da reclusão em 18 anos e 6 meses. Por afastar-se do local do acidente, por direção perigosa e sem portar Carteira Nacional de Habilitação (CNH), a pena foi de 1 ano e 9 meses de detenção. As penas foram impostas cumulativamente.

Segundo a denúncia do Ministério Público, o acidente ocorreu em 6 de janeiro de 2017, por volta das 6h, na BR 262, km 33, em Manhuaçu. Paulo Rafael dirigia um Ford/Escort embriagado e participava de uma disputa automobilística, conhecida como “racha”. A vítima, Jane Rodrigues de Souza, caminhava no acostamento da via em sentido contrário quando foi atropelada.

Consta nos autos que, ao seguir em direção à cidade de Reduto/MG, o denunciado pelo MP disputou corrida com uma caminhonete e posicionou-se na contramão da via. Ele teria perdido o controle do veículo, atropelado a vítima e evadido do local.

Após investigações, os policiais encontraram o denunciado na casa dele. Feito o teste do etilômetro, obteve-se o resultado de 0,30 miligramas de álcool por litro de ar alveolar. O exame foi realizado três horas depois do atropelamento, quando naturalmente já havia diminuído o nível de álcool no sangue. Segundo o Código de Trânsito Brasileiro (CTB), o motorista com nível maior que 0,34 mg/l deve ser levado imediatamente a uma delegacia e responder por crime de trânsito.

O juiz fixou o regime fechado para o cumprimento inicial da pena.

Fonte: TJMG

Últimas notícias em vídeo



Envie um comentário

 

Política de moderação de comentários

A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o administrador do site pelo conteúdo do mesmo, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste site reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal/familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.