Justiça determina que DNIT realize obras urgentes em pontes de Muriaé e Reduto



O Ministério Público Federal (MPF) em Manhauçu (MG) obteve liminar que obriga o Departamento Nacional de Infraestrutura Terrestre (DNIT) a realizar obras urgentes para a reparação estrutural de pontes localizadas sobre os rios Pirapetinga, Muriaé e Córrego do Nilo, na BR-116, bem como do Viaduto do Reduto, na BR-262, sudeste de Minas Gerais.

O DNIT também deverá realizar obras para a correção de irregularidades em trecho da BR-116 situado entre os municípios de São João de Manhuaçu e Muriaé, com a determinação de que os trabalhos sejam iniciados no prazo máximo de até 45 dias.

A decisão judicial atendeu ao pedido feito pelo MPF numa ação civil pública proposta em dezembro passado, em que foi relatada a situação precária de pontes e trechos das BRs 116 e 262, com base em laudos técnicos expedidos a partir de critérios adotados pelo próprio DNIT (Norma 010/2004), que cuida do procedimento de inspeções em pontes e viadutos de concreto armado. Tal norma estabelece um critério decrescente de qualidade, sendo a menor nota [1] indicativa de que “a recuperação deve ser feita sem tardar”.




Em vistoria realizada por perito do MPF, as três pontes citadas na ação receberam a pior nota, significando que elas apresentam “grave insuficiência estrutural, havendo risco tangível de colapso estrutural”.

A ponte sobre o Córrego Pirapetinga IV, situada no KM 782 da BR-116, por exemplo, apresenta desplacamento de concreto com armadura exposta e oxidada, infiltrações e colapso de pedaço da laje de concreto armado, o mesmo acontecendo com a ponte sobre o córrego Nilo, no Km 751,8 da mesma rodovia. Essa última ainda apresenta rachaduras ou trincas muito abertas no pavimento asfáltico, o que também foi encontrado na ponte sobre o rio Muriaé, no Km 703,3 da BR-116.

Também o viaduto situado no Km 29,1 da BR-262 encontra-se em condição crítica. Além de rachaduras profundas nos pilares e no pavimento, há infiltrações na laje de concreto e parte do guarda-corpo está colapsado.

A má conservação se repete no trecho da BR-116, entre São João de Manhuaçu e Muriaé, com fadiga do revestimento asfáltico, buracos, fendas, afundamentos, escorregamentos e desgaste superficial. Os defeitos da rodovia chegam ao ponto de, em um trecho, o degrau da pista de rolamento para o acostamento alcançar 60 cm, expondo o usuário a risco de inevitável acidente caso precise utilizar o acostamento numa manobra.

Descaso

No final do ano passado, o MPF intimou o DNIT a respeito da situação. As medidas tomadas pela autarquia, no entanto, foram paliativas, consistindo, em geral, na limpeza e desobstrução dos elementos de drenagem dos equipamentos, que em nada alteraram a condição de segurança estrutural das pontes e do viaduto.

“É preciso esclarecer que o MPF pretende apenas que o DNIT atue para cumprir sua própria orientação quanto à necessidade de intervenções urgentes em estruturas classificadas como precárias e sofríveis”, explica o procurador da República Francisco de Assis Floriano e Calderano, autor da ação civil pública. “Essa necessidade fica patente quando observamos que a autarquia sequer refutou as conclusões da perícia técnica, limitando-se a postergar sua atuação sob a justificativa de não dispor de recursos orçamentários no momento e, por isso, realizando intervenções de natureza mais simples, que, no entanto, foram insuficientes para garantir a segurança dos usuários”.

O Juízo Federal da Subseção Judiciária de Muriaé/MG concordou com o MPF e acrescentou que “o Poder Público, ou quem lhe faz as vezes, como o DNIT, não tem o direito de iludir os contribuintes, fazendo-lhes crer que trafegam em uma rodovia segura quando, abaixo do que se vê, há pontes em perigo iminente de colapso, por exposição de sua estrutura de sustentação; quando um asfalto recentemente recapeado apresenta significativa perda de aderência. O Poder Público tem, mais que ninguém, que agir de boa fé, zelando pela vida dos cidadãos. E, evidentemente, não age segundos os preceitos éticos quem expõe a vida dos cidadãos aos inequívocos perigos demonstrados pelo MPF”.

A decisão registra que a “BR-116 é o mais importante eixo de ligação entre as regiões Sul e Sudeste com o Nordeste, secundada pela não menos importante rodovia BR-101. Não obstante, não merece do Dnit e da União a necessária atenção. Basta trafegar pela estrada, para presenciar calombos na pista de rolamento, que tiram o veículo de sua trajetória; asfalto que se desintegra com a temporada de chuvas; defensas metálicas mal conservadas e ancoradas em madeiras podres; vegetação que invade o acostamento, prejudicando a visibilidade; desnível elevado entre a pista de rolamento e o acostamento, impedindo a utilização deste ou causando acidentes; buracos, ou melhor, crateras na pista, provocando a perda de pneus e acidentes; falta de sinalização adequada, horizontal e vertical; espelhamento do asfalto, e toda sorte de defeitos, que expõem diariamente a vida dos cidadãos a risco”.

Segundo o magistrado, “O Judiciário não pode fechar os olhos a tanta irresponsabilidade. Não se pode permitir que dia após dia vidas continuem sendo ceifadas como consequência da manifesta desídia na conservação das estradas. Não é razoável continuar a permitir que a administração continue a se omitir”.

Ainda de acordo com a liminar, não procede sequer a alegação de escassez de recursos financeiros por parte do DNIT: “Uma argumentação séria não compactua com a alegação de falta de recursos orçamentários para obras que visam não a angariar votos, mas a dotar uma das mais importantes rodovias do País de condições de trafegabilidade mínimas, de modo a atender ao menos o que é considerado essencial pelo próprio DNIT”.

Por isso, o Juízo Federal também obrigou a União a dotar a autarquia dos recursos financeiros que possibilitem o cumprimento da decisão.

Fonte: MPF

Últimas notícias em vídeo



Envie um comentário

 

Política de moderação de comentários

A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o administrador do site pelo conteúdo do mesmo, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste site reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal/familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.