Acidente que matou muriaeense: ‘Queremos punição que sirva de exemplo’



O delegado de polícia do Espírito do Santo suspeito de ter provocado o acidente que vitimou o comerciante Fernando José de Oliveira, mais conhecido como Fernando Batata, no último sábado (10), em Manhumirim, se à polícia mineira neste domingo (11). Ele bateu na moto de Fernando, não prestou socorro e abandonou o carro cerca de 2 km após o local do acidente.

– Queremos uma punição para que sirva de exemplo. Estamos cansados de ver as pessoas matarem ao volante e nada acontecer. Sou uma pessoa sensata e penso: ‘Se fosse ao contrário?’. Se eu, civil, tivesse matado um delegado, onde eu estaria? Essa é apenas a opinião de um cidadão”, desabafou Steyne Knupp Sanglard, 37, enteado que Fernando criou por mais de 20 anos, em entrevista exclusiva ao Gazeta Online. Os dois se tratavam como pai e filho.

E amigos é o que não faltam. De acordo com o filho de Batata, muitas manifestações de apoio e pedidos de justiça têm ocorrido na cidade mineira desde sábado.




– É bacana demais isso. Nesse momento que você vê quem são os amigos de verdade. Quero agradecer a todo mundo que está do nosso lado e se mobilizando por justiça – conta ele, detalhando que o pai foi homenageado até no bloco de carnaval que desfilou na cidade neste domingo.

Fonte: Gazeta Online

Últimas notícias em vídeo



Envie um comentário

 

Política de moderação de comentários

A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o administrador do site pelo conteúdo do mesmo, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste site reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal/familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.