Autoridades confirmam morte por febre amarela na Zona da Mata de Minas



Um morador de Mar de Espanha morreu, no dia 4 de janeiro, vítima da febre amarela. Ele estava internado desde 2 de janeiro em um hospital local, apresentando quadro de febre hemorrágica, icterícia e sintomas que poderiam ser de várias doenças, porém após exames foi confirmada a morte por febre amarela. Este foi o primeiro caso confirmado na Zona da Mata.

Além da morte em Mar de Espanha, a Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG) confirmou nessa quarta-feira (10) quatro novos óbitos por febre amarela no Estado – dois em Nova Lima, na Região Metropolitana, um em Barra Longa, na Região Central, e outro em Carmo da Mata, no Centro-Oeste. A primeira morte confirmada aconteceu em Brumadinho, na Região Metropolitana. O boletim epidemiológico leva em conta as mortes registradas pela doença desde julho de 2017 até agora.




O balanço da SES-MG ainda aponta que outros quatro óbitos estão em investigação.

Febre amarela

A Febre Amarela é uma doença infecciosa grave, causada por vírus e transmitida por mosquitos, tanto em áreas urbanas quanto silvestres. Em área silvestre, os principais vetores são os mosquitos Haemagogus e Sabethes.

Para o enfrentamento da doença, o Sistema Único de Saúde (SUS) oferece gratuitamente a vacina por meio do Calendário Nacional de Vacinação nas Unidades Básicas de Saúde (também conhecida como Posto de Saúde), principalmente para as pessoas que moram ou vão viajar para área rural, silvestre ou de mata.

A maior frequência da Febre Amarela ocorre entre os meses de dezembro e maio, período com maior índice de chuvas, quando aumenta a proliferação do vetor, o que coincide ainda com maior atividade agrícola. A infecção acontece quando uma pessoa que nunca tenha contraído a febre amarela, ou tomado a vacina contra a doença, é picada por um mosquito infectado, o Haemagogus e o Sabethes.

Fonte: Guia Muriaé, com informações da SES-MG

Últimas notícias em vídeo



Envie um comentário

 

Política de moderação de comentários

A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o administrador do site pelo conteúdo do mesmo, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste site reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal/familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.