Home / Colunas / Seliane Ventura / Coluna da Seliane Ventura – Psicologia e alimentação: um caminho multidisciplinar

Coluna da Seliane Ventura – Psicologia e alimentação: um caminho multidisciplinar

Alimentação colorida atrai as crianças. Sim, é isso mesmo… Somos muito visuais e desde pequenos, por essa razão uma alimentação colorida e saudável é muito importante na rotina alimentar de nossas crianças (e não estou falando de corantes artificiais).

Por que uma psicóloga falar de alimentação? Porque a hora das refeições é momento de construção de vínculo e isso desde o nascimento, desde a primeira mamada e não se deve perder esse laço com o passar do tempo. O vínculo é importante no desenvolvimento, seja ele em qual segmento for.

Dessa forma, inclua a boa alimentação nessa construção de laços, já que o alimentar é um cuidado, um ato de amor.




Então, voltando nas cores…

Uma pesquisa realizada nos Estados Unidos e na Inglaterra descreve que uma composição de alimentos coloridos e uma montagem divertida dos mesmos atraem e melhora o desejo pela alimentação dos infantes.

Como diz o ditado: “começamos a comer com os olhos”. Isso é verdade. Se virmos um prato muito bonito, automaticamente queremos provar.




Sem falar que a alimentação também é responsável por lembranças, aquisição de memórias. Associamos sabores, cheiros às lembranças dos momentos em que experimentados tais sensações.

Muitos alimentos de cores vermelha, laranja, verde, trazem alegria e bons nutrientes para os pequeninos. Podemos confirmar com os nutricionistas.




Então, papais e vovós (que adoram mimar com comidinhas deliciosas), coloquem a criatividade à tona e criem bons hábitos para o dia a dia da família, além de adquirirem lembranças gostosas para o futuro.

Autora: Seliane Ventura – Psicóloga CRP 04/40269 – Psicóloga Clínica e Organizacional, com extensão em Psicologia Hospitalar pela Fundação de Apoio ao Hospital Universitário de Juiz de Fora

Confira também

Coluna da Seliane Ventura – Setembro amarelo passou, a prevenção ao suicídio não

O suicídio atualmente mata mais do que o vírus HIV. Acomete qualquer idade, mas as …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *