Personalidades de Muriaé – Paulo Alvim Monteiro de Castro



Paulo Alvim Monteiro de Castro nasceu em 06 de abril de 1930 em Muriaé. Era filho do farmacêutico Álvaro Monteiro de Castro e de Elvira Rogério de Castro.

Fez seus estudos primários no Colégio Edmundo Germano, concluindo no Ginásio São Paulo, o Curso Ginasial, e, no Colégio Leopoldinense, o Ciclo Colegial.

Mesmo com a morte prematura de seu pai, mas apoiado pela mãe e por toda a Família, foi para o Rio de Janeiro, onde concretizou o sonho acalentado desde criança, diplomando-se em Engenharia pela Escola Nacional de Engenharia da Universidade do Brasil, onde mais tarde foi Professor do Curso de pós-graduação em Engenharia Rodoviária no período de 1960 a 1967.




Durante o curso trabalhava como desenhista no escritório da firma N. Rodrigues S.A., onde permaneceu por três anos. Ainda cursava o 5º ano de Engenharia, quando ingressou, como estagiário no DNER. Era o início de uma carreira de êxitos e sucessos. Galgaria todos os postos da hierarquia do Órgão, desde engenheiro auxiliar, chefe de Residência, Chefe de Seção, Chefe de Serviço, Assessor, substituto do Diretor, culminando com a nomeação em 1964 para o cargo de Diretor de Obras de Conservação e Restauração de Rodovias, sendo, então, o mais novo engenheiro do Órgão a alcançar o cargo de Diretor. Trabalhou em incontáveis obras de estradas por todo o Brasil.

Por três vezes foi agraciado pelo Governo Brasileiro: pelo desempenho na chefia das obras de pavimentação do trecho Juiz de Fora – Barbacena da estrada Rio-Belo Horizonte, a primeira grande obra rodoviária do Presidente Juscelino Kubitschek;, quando do término da “Fernão Dias”, outra das importantes metas do grande Presidente; e a terceira, quando sob sua direção, foram executadas as Obras de Recuperação da Rio-Petrópolis, após a tragédia da Serra das Araras, quando um desmoronamento soterrou mais de 400 pessoas e destruiu grande parte da estrada. O Governo Baiano também prestou-lhe grande homenagem, denominando Residência Engenheiro Paulo Alvim Monteiro de Castro a Residência do DNER em Cruz das Almas, o maior centro produtor de fumo do país, às margens da BR- 101. Já como engenheiro residente, escreveu o trabalho “Instruções para Controle de Misturas Betuminosas” que, publicado na Revista “Construção”, recebeu o Prêmio Pontes Correa, por ter sido considerado o melhor artigo técnico escrito naquele ano no Brasil, na área rodoviária.

Participou de inúmeros Congressos, Seminários e Reuniões, das quais podemos destacar: XI e XIV congressos Internacionais de Estradas, no Rio e em Praga, na Techecoslovaquia; 47ª Reunião Anual do Highway Research Board, em Washington – USA; integrou a Delegação Brasileira na Reunião Tripartite Brasil – Argentina – Uruguai realizada em Montevidéu para discussão ligada a assuntos rodoviários; presidiu a Delegação Brasileira na Reunião Bilateral Brasil-Paraguai em Foz de Iguaçu: integrou a Delegação Brasileira chefiada pelo Ministro dos Transportes, na reunião de Transportes e Obras Públicas dos Países do Cone Sul, em Santiago do Chile.

Era sócio ou membro de diversas associações, entre elas o Clube de Engenharia; Associação Rodoviária do Brasil; Associação Brasileira de Pavimentação; Highway Research Board (National Academy of Sciences – National Research Council).

Coordenou e chefiou inúmeros projetos de engenharia, deixando estudos e tratados sobre o assunto. Teve editado em co-autoria os livros “Curso de Pavimentação” e “Pavimentos”, sendo que o primeiro passou a ser adotado, em praticamente, todas as Escolas de Engenharia, tornando-se por muitos anos a “Bíblia” da pavimentação asfáltica em todo o Brasil, pois não havia outro livro editado em português sobre a matéria. Proferiu aulas nos Cursos de Especializações realizados em Manaus (1961), São Paulo (1962), Belo Horizonte (1962 a 1966), Juiz de Fona (1968), Rio de Janeiro (1960/1973), Curitiba (1961, 1963, 1966 e 1968), Recife (1963 a 1967), Salvador (1964), Natal (1962), Lages-SC (1968) Belém (1963).

Paralelamente ao seu trabalho no DNER era consultor técnico pela Petrobrás e, em 1969, depois de cinco anos como Diretor do DNER, passou para a iniciativa privada trabalhando por mais de 10 anos em firmas conceituadas como a EULER, a AMPLA e a SET. Voltou então ao DNER, a convite do seu diretor, onde permaneceria por mais alguns anos até vir a falecer.

Muriaé dele recebeu, através de entendimentos com Órgãos Federais, na gestão de Hélio Araújo, o alargamento da ponte sobre o rio Muriaé; a construção da nova ponte sobre o rio Preto; a construção da Nova Rodoviária na gestão de João Braz, com recursos conseguidos graças à ajuda dos conterrâneos Ivo Manarino, Carlos Augusto Feres e Dr. Pio Canêdo. Em 1969, quando se reparava para afastar-se do DNER para entrar na iniciativa privada, deixou assinalado no Mapa Rodoviário do Estado, O primitivo traçado da estrada Muriaé-Ervália.

Paulo Alvim Monteiro de Castro era casado com Dona Elba Nascimento Monteiro de Castro com quem teve os filhos Fernando, Ana Lúcia e Álvaro, todos engenheiros. Faleceu em 22 de dezembro de 1988.

Fonte: João Carlos Vargas e Flávia Alves Junqueira / Memorial Municipal

Últimas notícias em vídeo



Envie um comentário

 

Política de moderação de comentários

A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o administrador do site pelo conteúdo do mesmo, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste site reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal/familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.